Bifurcações no caminho da vida – Escolhas certas e erradas



Escolhas certas e erradas



Não espere que o rigor do teu caminho que obstinadamente se bifurca em outro, que obstinadamente se bifurca em outro, tenha fim. (Borges, 1967)


Quando eu li no blog da Bárbara, In.Material, esta frase do Borges, parei para pensar. Eu sou cismada com as bifurcações que os caminhos da vida apresentam. Sabe aquela história do “E se?”.

Me deixe explicar, quando a gente está para prestar vestibular e surge aquela dúvida: Devo prestar vestibular para Direito ou Jornalismo? Vamos dizer que você tenha escolhido Jornalismo e se dado muito bem na carreira, mas daí tem aquele dia em que você encontra aquela amiga querida que fez Direito e se tornou uma advogada, não apenas bem sucedida, mas muito entusiasmada com a carreira, que conta casos e se emociona com o seu próprio dia a dia. Então bate o “E se?”: E se eu tivesse feito Direito em vez de Jornalismo?

Eu sempre paro para pensar nisto, pois eu queria muito ter feito Artes na FAAP, e, embora meus pais tivessem condições de manter em outra cidade, para minha mãe existiam três profissões: Medicina, Direito e Engenharia. No final do ano ela pediu para que eu prestasse o vestibular de Engenharia em Bauru, só para ver se eu estava preparada.  Dei um azar danado e passei em primeiro lugar. Como eu era menor de idade, ela fez minha matrícula no curso e eu perdi três anos de minha vida arrenegando uma faculdade que não tinha nada a ver comigo. Daí bate o “E se?”. E se eu tivesse feito FAAP em São Paulo e minha carreira profissional se desse na capital e não no interior? Bem, eu não teria conhecido o pai da minha filha e minha filha não teria nascido. A minha filha compensou esse relacionamento que deu errado e uma fissura na carreira profissional que não tive como emendar, acabei seguindo outros caminhos por causa dela. Me arrependo? Não, mas poderia ser diferente.

Quem nunca se apaixonou por alguém e acabou não dando certo? Será que você nunca se perguntou : E se eu tivesse casado com ele?

Quem deixou de viajar para guardar dinheiro e comprar um carro e depois a oportunidade da viagem nunca mais apareceu? E se você tivesse optado por continuar andando de ônibus e tivesse feito aquela viagem? Será que não compararia o carro depois?

Quem nunca teve dúvidas quanto à época certa para engravidar? Ou até mesmo se deveria ou não ter filhos?

A verdade é que a vida é feita de escolhas e, por incrível que pareça, as escolhas que fazemos são sempre corretas, ou ao menos eram as melhores possíveis para nós naquela época e circunstância.

É certo que me dói enfrentar as escolhas que não foram feitas por mim, mas sim por minha mãe e escolhas errôneas feitas por ela. Sim, mãe erra e erra muito, mas isto daria outro post. Mas das minhas próprias escolhas eu nunca me arrependi. Posso ficar confabulando como seria se eu tivesse seguido outro caminho, mas gosto de pensar que dei o rumo certo para a minha vida.

Quantas vezes você se viu diante das bifurcações do caminho da vida? Se arrependeu de alguma escolha que fez? 


Beijinho da blogueira

Imagem via tumblr, desconheço a autoria.
Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

48 comentários:

  1. Oi Betty,

    tá aí uma coisa que me deixaria doida. Se eu me questionasse pelas decisões que tomei na vida como se sentiria segura para tomar as próximas?
    Melhor não nos cobrarmos tanto e termo mais confiança naquilo que definimos pois isso compromete nosso estado de hoje e de amanhã. Eu penso assim!
    Beijos,

    Luciana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lu,
      Eu vivo me questionando, mas isto não me impede e nem me torna apreensiva qto ás decisões futuras.

      Excluir
  2. Realmente as bifurcações se mostram em nossos caminhos! Em geral acertamos nas escolhas e quando assim não é, temos que tentar aprender c e saber da nossa responsabilidade ao escolher, tentando acertar.,...bjs, lindo dia! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto de pensar que sempre é um acerto. Penso que foi o melhor que eu fiz naquela circunstância. Ninguém quer fazer o pior, não é mesmo?

      Excluir
  3. Oi Betty, me pego as vezes pensando nos "se" da vida, mas balanço a cabeça e disperso os pensamentos, pra mim o que tem que acontecer "vai acontecer", rsrsrs não me arrependo de nada e muitas vezes me pego agradecendo os rumos que a minha vida tem tomado... beijosss!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jane,
      Tb acredito em destino, mas não sou tão fatalista, pois tb acredito e livre arbítrio.

      Excluir
  4. Oi Betty!

    Nossa...me senti lisonjeada de ser citada em seu blog mais uma vez ^-^
    Então, essa sua postagem me fez refletir em algumas coisas...parece que você está daí adivinhando coisas sobre mim inclusive.

    Mas na verdade, você e eu (e diversas outras mulheres) temos as mesmas dúvidas e "e se" em nossas vidas. Já tenho 32 e sempre penso se já não é hora de ter filhos...estou deixando de viajar para Macchu Picchu porque estou comprando meu apartamento. Mas eu pretendo fazer tudo isso ainda, e essas escolhas tenho certeza que são acertadas...No momento certo tudo dá certo.

    Eu fiz faculdade de turismo porque não tinha engenharia ambiental aqui na Bahia nesta época. Mas pretendo voltar a estudar ano que vem. Eu queria um carro e uma habilitação quando tinha 18 anos....na minha atual idade ainda não sei dirigir, mas tenho trabalhado como louca para conseguir entrar na autoescola mês que vem.

    E você ainda pode fazer a faculdade de artes...será que não tem o curso em Bauru?
    Tente um curso técnico, tecnólogo...alguma coisa que te faça feliz também.
    :***

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bárbara,
      Eu sou formada em Comunicação Visual pela Unesp de Bauru, mas a faculdade era fraquíssima, eu queria ter feito FAAP. Depois é que fiz direito, para poder sustentar minha filha, vez que não podia contar com o pai dela financeiramente (ele sempre foi um perdedor e eu não sou dada a chorar sobre as besteiras que fiz e faço, eu reajo).
      não pense vc que eu não leio e não presto a atenção no que as amigas blogueira escrevem. Eu estou de olho em vc!
      :D

      Excluir
  5. Adorei seu texto.. acho que toda escolha implica em uma perda.. sempre temos que abrir mão de alguma coisa em prol de outra.. Arrependimento as vezes faz parte né? Mas temos que fazer escolhas e nem sempre conseguimos acertar..
    Beijo

    Dicas para Todas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu terapeuta me fez entender que toda escolha envolve uma perda, mas tb envolve um ganho. Prefiro pensar no que ganhei.

      Excluir
  6. Oi Betty, adorei a frase do Borges!
    Menina, esse post me fez pensar...Sabe, acho que a vida não tem "E se...."
    Cada um faz o melhor que pode com os recursos de que dispõe no momento. É fácil depois, com experiência e conhecimento dos resultados, olhar para trás e dizer que faria diferente. Mas o momento da escolha não tínhamos essa visão e na verdade, escolher é dar um salto no escuro.
    Seu post me fez lembrar um filme bem legal chamado "Agentes do Destino", veja, acho que vai gostar.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já anotei. Vou procurar "Agentes do Destino". Por falar em filme, vc me fez lembrar de "Efeito Borboleta", e eu acredito em escolhas.

      Excluir
  7. Bom dia querida Betty!
    Belo texto, ótimo para refletirmos!
    Se eu pudesse voltar no tempo eu faria tantas coisas diferentes.
    Os arrependimentos vem com o tempo!

    Bjs, fique com Deus! ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi andréa,
      Se eu pudesse mudar algo do meu passado, eliminaria uma pessoa de minha vida. Tento em vista que conheci milhares de pessoas e só sinto vontade de eliminar uma, então estou no lucro. Eliminaria esta pessoa pq eu a classifico como "mesquinha", mas até este ser do mal me serviu para me fazer mais alerta.

      Excluir
  8. A gente sempre pensa e se....
    Sempre que escolhemos algo abrimos mão de outra coisa e nem sempre escolhemos o certo, mas a vida é uma loteria as vezes ganhamos as vezes perdemos.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bell,
      Prefiro acreditar que tenho tido sorte na loteria da vida.

      Excluir
  9. Oi, Betty! Não costumo ter arrependimentos pois as minhas escolhas me trouxeram até aqui, me fizeram quem eu sou. Este seu post me fez lembrar de um filme muito interessante. O título em inglês é Remembrance (no alemão original - Die verlorene Zeit The Lost Time). Assisti no Netflix e fala exatamente sobre essas bifurcações tendo como pano de fundo a segunda guerra mundial. Não vou contar mais porque senão estrago a trama, mas vai bem de encontro ao que você falou. Se tiver oportunidade, assista! Beijo grande.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou ver se encontro este filme. Você sabe se tem título em português?

      Excluir
  10. Oi Betty
    Adorei seu texto, suas palavras sensatas e estou sempre pensando nas bifurcações do caminho da minha vida, certamente se tivesse tomado outra decisão, neste momento, minha vida ou carreira profissional poderia ter sido outra e bem sucedida.
    Mas enfim.... na época foi o que eu optei, ninguém me forçou a nada.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fui forçada por minha mãe, que queria escrever a minha história em meu lugr, mas tirando isto, acho que minhas decisões foram acertadas.

      Excluir
  11. Amiga eu devo ter algum problema, nunca parei pra pensar no "E Se..." porque eu penso no hoje então sei que um amor acabado gerou dois filhos, jamais pensaria "E se não tivesse conhecido", sei que as dificuldades me deixaram mais fortes, então não penso "E se eu tivesse partido por aquele caminho", sei que minhas escolhas me fizeram quem eu sou hoje e sinceramente eu sou tão feliz!!!! E é nessa parte que não reclamo e daí vem esse tal de "E se..." "E se eu tivesse um filho doente", "E se... meus pais não estivessem aqui ao meu lado" então, só posso agradecer, porque tudo que tenho ao meu lado foram minhas escolhas e me sinto feliz por tudo estar bem.

    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lu,
      Eu não penso em coisas ruins, como um filho doente! Qdo penso no "E se?", jogo ele mais no trivial, no dia a dia.

      Excluir
  12. Betty
    Eita que assunto massa! Bem, fiz muitas escolhas erradas, vou logo dizendo kkk Mas, não me cabe arrependimentos, afinal depois da escolha feita, é impossível voltar atrás rsrs
    Acho que tudo na vida que acontece com a gente, serve de lição.. Minha fase de .."E se..." acontece às vezes, mas acho que se tivéssemos tomado outro caminho, nunca saberemos, né verdade? Eu acho que eu deveria ter seguido de fato ter seguido os conselhos de minha mãe, muita coisa seria diferente, só posso dizer isso. hahaha

    Mil Bjokas,
    http://www.dmulheres.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sheyla,
      Pelo menos vc tem uma mãe sábia, já a minha queria viver a minha vida, fazer as minhas escolhas. É certo que ela queria o melhor para mim, mas nem sempre o que ela julgava ser o melhor para mim, era.

      Excluir
  13. Betty, my dear, pois é... são aquelas coisas que ficam voltando, às vezes, na cabeça de todas nós. Quem nunca?!

    Contudo, eu procuro deixar claro que nessas bifurcações eu sempre escolho o caminho que mais foi assertivo a mim naquele momento. Se lá na frente as coisas mudam o rumo ou tornam a história pior ou melhor, o que há de ser feito?

    Fora isso eu aceito, de bom grado inclusive, que temos um pré-desenho na vida. Podemos mudar isso ou aquilo, mas jamais mudar o conteúdo em um todo, senão, estaríamos mudando nosso Karma e o que aqui fomos predestinados a ter como caminho de construção ao melhor conhecimento de nós mesmos.
    E sinceramente? Amodoro de paixão minha vida e tudo que nela coube de certo e errado. Podem me chamar de resignada ou comodista, porquanto, eu tenho certeza que minha vida e as escolhas que fiz traçam quem eu sou. Então... fazer o quê?

    Beijos mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tb gosto de tudo o que está contido em minha vida, por isto acho que tudo foi acertado.

      Excluir
  14. Muito interessante o seu post.
    Tento não ficar pensando no "se". Acho que tudo foi válido e serve como experiencia e amadurecimento.
    Bjs, Betty.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De certa forma, tudo serve como aprendizagem, mas só se aprende refletindo sobre a lição.

      Excluir
  15. Betty, como você mesmo referiu, "eu sou eu e a minha circunstância". Porém, tempo volvido, eu consigo a valiar as minhas escolhas e, honestamente, de algumas me arrependo muito!
    Sigo em frente, si,! Mas aprendo com os erros.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Das escolhas que eu fiz, eu nunca me arrependo, só daquelas que fizeram por mim.

      Excluir
  16. Muito legal teu post Betty, gostei muito do tema. Sabia que eu teria assunto pra escrever um livro, o título seria: E se...
    É amiga, fico sempre muito indecisa quando tenho que tomar decisões... às vezes penso que é porque peso sempre os dois lados da balança, e aí a indecisão aparece...
    E depois fico me questionando "se" não teria sido melhor pra mim. .. é por aí vai.
    Eu sempre gostei de artes, mas quando fui prestar vestibular acabei fazendo Direito por influência da família, e nunca exerci. E se... eu tivesse cursado Arquitetura?
    bjus amiga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o primeiro questionamento sério que enfrentamos é sobre que carreira seguir, os outros vêm com o tempo.
      Não sabia que vc é formada em Direito.

      Excluir
  17. Eu não tenho arrependimentos, fiz as escolhas que achei certo num determinado momento da minha vida. Mas o "e se" não tem jeito, é um fantasma que está sempre por perto.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Neli,
      O "E se?" pode ser um fantasma, mas também é uma ajuda, pois a gente só aprende quando questiona.

      Excluir
  18. Querida Betty, sim, já me arrependi de algumas escolhas. Quem não? Uma coisa é certa: na época, avaliei e achei que era o melhor caminho. Já cometi um erro do qual me arrependo muito, então, tomei como aprendizado e nunca mais voltei a cometê-lo! Os desafios da vida são preciosas oportunidades de amadurecimento, disse uma vez Zíbia Gasparetto. Devemos sempre nos perdoar também. O perdão liberta! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise,
      Precisei anos de terapia para aprender a me perdoar, hj tenho muita facilidade nisto.
      Vou ver este filme, alias vou precisar de um tempinho para assistir todos os filmes que me indicaram. Não vai ser sacrifício algum, pois adoro!

      Excluir
  19. Betty, vi alguns comentários aqui sobre filmes e lembrei de um que gosto muito e reflete bem o tema do post de hoje. Chama-se De caso com o Acaso http://www.imdb.com/title/tt0120148/?ref_=nm_flmg_act_34 com a Gwyneth Paltrow. Tenho a sensação que você vai gostar! Beijos

    ResponderExcluir
  20. Muitos caminhos na vida, né? Eu acho duas coisas: primeiro, que o que já foi, já foi. Não vivo pensando no passado, nesse "e se". Porque senão a gente não fecha, não encerra o assunto e com isso não dá continuidade.

    A segunda coisa que eu acho é que aprendemos com os erros, com os nossos e com os dos outros. Perdoar, seguir em frente, esquecer, faz parte e é necessário. Não carregar mais bagagem do que o necessário, certo?

    Deixo uma dica de livro iluminado: Perdas e Ganhos, da Lya Luft. É meio antigo, mas nunca foi tão atual. Tudo o que a gente escolhe, mesmo que diga que é inconsciente, é uma perda e um ganho. O que é melhor, só cada um poderá dizer.

    Adoro quando você faz posts assim, intimistas e que nos fazem pensar.

    beijossssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paula,
      Já li este livro! Está na hora de reler! Eu adoro a Lya Luft.

      Excluir
  21. OI Betty, nunca me vi diante de bifurcações. Fiz escolhas que na época me pareceram certas. Só depois de muitos anos, após algumas escolhas não terem dado certo é que me questionei e pensei no "incondicional"...e se....porém aí já era devaneio, porque o passado não se pode mudar, mas o futuro sim e, então toda a vez que tenho que escolher algo, penso que a sorte precisa ser lançada e rezo para que d6e certo e que mais tarde eu não precise me arrepender. Já fiz muita coisa, já passei por muitas outras e sei que ainda vou fazer e passar, a nossa vida é uma caixinha de surpresas e agora me veio na cabeça a frase que escuto na Rádio Bandeirantes, quando estou dirigindo que é : Em 20 minutos tudo pode mudar! E é bem assim. Grande beijo!
    www.brasildobem.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa, Janeisa, nunca ouvi ninguém dizer que não esteve diante das bifurcações da vida! Nem mesmo na época do vestibular?

      Excluir
    2. eu não disse que não estive, disse que fiz escolhas que na época pareceram certas, mas isso não significa que tenha acertado. Quanto ao vestibular, na época certa com 18 anos, escolhi Letras por amar a Leitura e depois em sala de aula, dando aula...odiei. Aí fiz Psicologia, profissão que trabalho até hoje. Porém, se tivesse pensado melhor, teria feito Jornalismo...escolhas não pensadas. Bjs

      Excluir
  22. Acho que eu nunca fui muito de pensar "e se". Sempre tomei minhas decisões com a certeza de que o melhor caminho é sempre para frente, sem dúvidas com relação ao passado. Afinal, a gente nunca saberia ao certo como seria a nossa vida se tivéssemos tomado decisões diferentes... melhor não sofrer a toa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou muito questionadora, tudo eu paro para pensar, mas acho que é uma coisa bem minha.

      Excluir
  23. Betty,
    Perdi as contas de quantas vezes este "E se" apareceu na minha vida kkk. Arrependimentos aparecem também. O meu segredo é seguir em frente com muito otimismo, aproveitando bastante a vida.
    Bjs

    ResponderExcluir
  24. Eu estou nesse momento vivendo essa fase do "e se" mas desconfio que seja crise dos 40!! Muitas vezes queremos decidir pelo emocional, mas somos obrigadas a decidir pela razão, acho que daí nascem mais tarde os "e se"... Bjs otimo post

    ResponderExcluir
  25. Acho que bifurcações nunca se apresentaram para mim. Seguiu-se dentro da normalidade. Nunca tive perdas de sono amargando dúvidas e decisões a serem tomadas! Deus dá o frio conforme o cobertor, será! Beijos!

    ResponderExcluir
  26. Ai, Betty, bateu lá no fundinho estas peguntas... "E se" é uma pergunta que me faço sempre. Atualmente a dúvida é ter ou não outro filho. E se...
    bjk

    ResponderExcluir

Voltar ao topo
© Gosto disto!
Todos os direitos reservados.
Personalizado por: Elaine Gaspareto
imagem-logo