Desabafo, desabafantes, desabafadores, desabafados


Desabafo, desabafantes, desabafadores, desabafados


Mais uma vez o programa #SaiaJusta me deu ideia para um post, pois a discussão girava em torno do fato que é mais fácil desabafar com um desconhecido do que com alguém próximo. Sabe aquele desconhecido que senta do seu lado no avião e quando você dá conta você está falando tudinho da sua vida? Pois é, isto não acontece comigo. Sou muito restrita nos meus desabafos.


Desabafo, desabafantes, desabafadores, desabafados


Meu marido tem uma estranha capacidade de ser o receptor de desabafos alheios. Ele é muito comunicativo e acho que isto facilita um bocado. Não foi uma ou duas vezes que ele foi ao supermercado, encontrou um conhecido, daqueles que não via desde criança, e voltou para casa horas depois com uma história imensa que a pessoa tinha contado. Ele consegue saber se a pessoa separou, se casou de novo, quantos filhos tem, e tudo o que você imaginar. Ele tem a capacidade de fazer a pergunta certa na hora certa e a pessoa se sentir a vontade para desabafar. Sempre digo que o mundo da psicoterapia perdeu um talento e tanto.

Eu tenho um lance de me sentir invasiva, então não pergunto nada. Se a pessoa quiser falar que fale, mas eu não dou corda. Não sou uma boa receptora de desabafos, embora várias pessoas já tenham me dito que sou uma ótima conselheira.

Acho que dou conselhos inesperados para as pessoas e depois de passado o choque, as pessoas acabam vendo que eu tenho razão ou que aquele pode ser um caminho. Por exemplo, uma amiga, depois de ser traída pelo marido, desabafou comigo que queria se separar, se vingar e fazer tudo que uma mulher traída tem direito de fazer. Ela já tinha desabafado com d’us e o mundo e veio a mim por que eu, teoricamente, sou a pessoa que mais aconselharia pela separação. Já passei por mais de um divórcio, e quando eu queimo o pé, o desinfeliz pode não ter acabado de falar, mas deixo claro que eu acabei de ouvir e me mando (e você pensando que eu sou boazinha... não sou não, sou apenas justa e isto me basta). Pois bem, eu disse com todas as letras que ela não deveria se separar e expliquei todas as razões, que não vou discorrer aqui para este post não ficar muito longo. Ela ficou pasma! Passado o susto, ela ponderou e continua casada e bem casada até hoje, e é muito feliz. Ela sempre diz que o meu conselho salvou o casamento dela.

Tenho outros exemplos, de gente que mudou de carreira, que começou um negócio, que terminou um namoro enrolado, sempre devido aos conselhos que eu dei, e conselhos inesperados, daqueles que fazem a pessoa parar para pensar, pois é muito fácil falar o que a pessoa quer ouvir, mas falar o que precisa ouvir é que são elas.


Desabafo, desabafantes, desabafadores, desabafados


Eu gostaria de ter este desprendimento de desabafar com um estranho e lavar a minha alma. Dizem que é mais fácil abrir o coração com alguém que não conhecemos realmente do que com alguém que nos conhece e vai nos julgar. Acabo recorrendo ao terapeuta quando algo grave acontece, mas em compensação sou do tipo de não aporrinho ninguém no serviço, nem no cabeleireiro, nem na academia.


Desabafo, desabafantes, desabafadores, desabafados


É bom desabafar? Claro que é, mas é preciso tomar cuidado. Existe uma frase antiguinha que dizia: “não faça do seu copo uma arma, o chato pode ser você”. Vou parafrasear dizendo: “não faça do seu desabafo uma arma, a chata pode ser você”.


E você, é do tipo que desabafa com estranhos ou é do tipo que ouve desabafos? Ou ambos?

Beijinho da blogueira

Fotos: 1- Marilyn Monroe no filme "Bus Stop", 2- Brigitte Bardot - desconheço a autoria, 3- Huffington Post, 4- Seriado "I Love Lucy". 
Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

40 comentários:

  1. Olá Betty! Também assisti o Saia Justa e pra te dizer a verdade também fico na minha, mais escuto do que falo, tenho receio de parecer curiosa e mexeriqueira rsrs... Às vezes arrisco uns pitacos, mas os faço com muito zelo. Bjs e ótima quarta-feira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou descobrindo que não sou somente eu que vejo o Saia Justa. Toda vez que cito um programa por aqui, um monte de gente fala que assistiu.
      Tb tenho medo de palpitar na vida alheia. Só falo quando vejo que posso ajudar e quando a pessoa é muito próxima.

      Excluir
  2. Esse Saia Justa é sempre bom!Gosto de assistir e concordo que desabafar é bom, mas há de se saber com quem!@!! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Chica,
      Vc assistiu a este programa? O programa tinha plateia e por lá dava para ver que a maioria das pessoas desabafava com estranhos. Das apresentadoras a mais contida era a Astrid, as demais desabafavam.

      Excluir
  3. Fun photos!

    http://beautyfollower.blogspot.gr/

    ResponderExcluir
  4. Nunca desabafo sou muito reservada e não me sinto a vontade de falar com pessoas estranhas, as vezes sinto falta de alguém para chatear, rsrs... Meu marido parece a cópia xerox do seu, quase sempre volta da rua com uma história longa, rsrs
    Bjs❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será que existe uma relação entre reservados e extrovertidos? O que me chamou a atenção no meu marido, quando nos conhecemos, foi a facilidade que ele tem de se comunicar.
      Dizem que homens desabafam menos, mas qdo dizem isto é que não conhecem os desabafantes que meu marido torpeça pela vida!

      Excluir
  5. Oi Betty,
    Que belas imagens você escolheu para ilustrar o post!
    Eu também não desabafo com estranhos, jamais...não sei porque, mas não consigo, escolho a dedo as pessoas com que posso desabafar.
    Agora, sou uma ótima receptora de desabafos...não só no consultório, mas em qualquer lugar.
    E sempre que posso dou um pitaco.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O seu talento foi bem direcionado, afinal vc é terapeuta, já o talento do meu marido foi praticamente perdido...
      rsrsrs

      Excluir
  6. Ah, lendo seu comentário aí encima, acho que não tem a ver com ser extrovertido ou introvertido. Eu tenho uma grande facilidade para me comunicar, converso com todo mundo na rua, no mercado... mas sou super reservada com minha vida pessoal.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já era meio quietinha e agora piorei devido ao meu problema com a voz, mas pretendo recuperar a voz e melhorar o meu jeitinho de ser, pois sinto falta de me comunicar oralmente.

      Excluir
  7. Oi Betty... eu não costumo desabafar com estranhos, meu marido é meu terapeuta, rsrsrs... mas eu acabo sendo a terapeuta de muitas pessoas, já perdi a conta de quantas vezes as pessoas desabafaram comigo (conhecidos e estranhos),eu ouço, dou conselhos (sempre positivos!) e na maioria das vezes não conto pra ninguém, às vezes quando a situação é engraçada eu falo para o meu marido, rsrsrs acho que incorporo a questão da confidencialidade da profissão, rsrsrs beijosss!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tb não conto o que ouço das pessoas, exceto para o marido, que é muito discreto neste ponto.

      Excluir
  8. Oi Betty!
    Sou do tipo que ouve desabafos e desabafa muito pouco. Também dou bons conselhos...alguns amigos dizem que eu daria uma boa psicóloga...sei não. Nem sempre estou a fim de escutar e, raramente, gosto de desabafar. Acho que quando você conta suas fraquezas para os outros, você dá munição a elas contra você.

    Sou gato escaldado.

    Também tenho um caso de uma amiga...resumidamente: Durante meses de trabalho juntas, ela só falava mal do marido que sumia todos os finais de semana. Eu perguntava porque ela não tomava uma atitude, além de apenas brigar. E ela sempre inventava atitudes que não resolviam nada. Um belo dia explodi. Disse a ela que não tinha mais nada a dizer a ela, que ela tinha o que merecia. A história que ela me contava sobre os finais de semana não mudava, nem a atitude dela diante disso e, portanto, meu pensamento também não.

    Ela nunca mais desabafou comigo sobre tal assunto.

    :**

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bárbara,
      Não desabafou, mas tb duvido que ela tenha resolvido o problema. Minha mãe era assim... reclamava, desabafava, mas tomar um atitude: nunca!

      Excluir
  9. Eu não costumo desabafar com estranhos, sou mais do tipo que escrevo e entendo meus próprios desabafos.

    Acesso Permitido. ♥
    http://www.acessopermitido.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. quando eu escrevo sobre aquilo que estou passando, e escrevo só para mim, depois de ler, vejo as coisas de outra maneira. Escrever ajuda a resolver os problemas. Eu aprendi isto com um terapeuta.É ótimo.

      Excluir
  10. Betty, sou igual ao seu marido, comunicativa e acabo sabendo de muitas histórias até porque saio perguntando: você já foi casada? Teve filhos? Sempre morou no lugar tal? E nunca levei um fora. As pessoas gostam de desabafar comigo e eu adoro desabafar também. Aliás, uma das coisas que eu mais gosto é conversar, saber das histórias da vida real, saber o que aconteceu... Pena que as pessoas pouco se encontram hoje em dia... Olha, acho que, sem querer, você fez uma propaganda sobre seus conselhos. Já vou te mandar e-mail pedindo um. hahaha Brincadeira. Acho que sou boa ouvinte porque gosto. E, quando preciso desabafar, tenho uma amiga certa pra isso porque outras já não querem saber muitos detalhes. Concordo que o ideal é um terapeuta. Com estranhos, eu nunca desabafo.
    Beijos carinhosos, Denise

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu marido tb nunca levou um fora! Acho que as pessoas são receptivas quando encontram um bom ouvido para escutar o que elas têm a dizer. isto me espanta, pois tenho tanto medo de ser invasiva.

      Excluir
  11. Olá Betty.Eu quase n desabafo, por cá só com uma amiga.Mas vivo dando conselhos e ouvindo.beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho 3 amigas com as quais eu desabafo, mas é raro. Fico com medo de incomodar.

      Excluir
  12. Sou ótima para conselhos, mas péssima em praticar.
    Escuto pessoas, acho resposta para cada problema, mas comigo é tudo diferente rs...

    bjokas =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ouço e penero, sou bem comedida e nos dia de hj posso me considerar bem equilibrada, mas nem sempre fui assim.

      Excluir
  13. Para eu desabafar com alguém, devo estar no meu limite. Sou muito reservada, não gosto de compartilhar meus problemas e sofrimento com os outros, sabe? Quase sempre guardo para mim mesma!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também, mas tenho umas amigas nas quais eu confio. Se for muito grave, procuro um terapeuta.

      Excluir
  14. Betty, olá! Como foi de folia?
    Depois de rir um bocado com sua crônica, comecei a perceber que essas coisas não só comigo.
    Meu papel é quase total de ouvido que nunca de boca. Deus meu ficar azucrinando outras pessoas com algo que é exclusivo de minha vida. Jamais!

    Não falha: no supermercado (meu maridão as vezes esta chegando com o carrinho e já caindo na gargalhada) não falha uma vez sequer. Me pegam para dizer que tudo está pela hora da morte ou me "mandando" trocar o produto que selecionei.

    Devo mesmo ter cara de Irmã Paula...
    Beijos mais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc deve ser receptiva, pois as pessoas não chegam em mim com facilidade. As mulheres chegam para perguntar sobre alguma roupa que estou usando, um acessório, um penteado (meus penteadinhos podrinhos fazem sucesso na rua), mas para desabafar é raro.

      Excluir
  15. Betty lendo o início do post me lembrei da cena inicial do filme "Blue Jasmine" quando Cate BLanchet está no avião, indo para a Califórnia e passa o vôo inteiro desabafando com a senhora que está no assento ao lado dela. Desabafando seria injusto, ela "despeja" toda a sua vida para a pobre senhora, inclusive até na hora de pegar as malas na esteira. Eu não sou fechada e nem reservada demais, mas consigo encontrar meu equilíbrio e desabafar um pouco, mas sempre tive a sorte de encontrar "ombros certos".
    Super bj
    www.brasildobem.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Janeisa,
      Não tinha me lembrado da cena do Blue Jasmine, mas vc está certa. Aquela cena seria perfeita para ilustrar o post!

      Excluir
  16. Não desabafo e também não dou trela pra desabafos.Não tenho esse talento do seu marido e nem a sua experiência no que a tange a conselhos
    Betty,dá uma olhadinha no meu blog,coloquei mais das photomanipulações que faço!

    bjs!

    ResponderExcluir
  17. Eu mais ouço e aconselho do que desabafo. Os meus desabafos, quando consigo colocá-los para fora, é com o psi. Sofro com isso, viu? Muita coisa fica pesando na minha cabeça...

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto de ter um psi para me ouvir e me orientar, mas no momento não estou em terapia.

      Excluir
  18. Betty
    Estou com seu marido, escuto desabafos demais e as pessoas amam desabafar comigo kkkk Saio da conversa sabendo de tudo.. kkk Mas, sou bem ruim de desabafar com alguém ue não conheço , assim como vc . kkk Não sou boa em conselhos de forma alguma kkk
    Adorei o post.

    Um abraço,
    DMulheres
    @dmulheres

    ResponderExcluir
  19. Não sou de falar muito, menos ainda desabafar!! Durante muito tempo as pessoas costumavam desabafar e me contar tudo, mas atualmente não tem acontecido.

    Agora que li a tua resenha de A Garota Dinamarquesa, quero mais ainda assistir!! Estreia amanhã por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu assisti na net. Tinha on line, não sei se tiraram. O filme vale a pena.

      Excluir
  20. Oi Betty
    Desabafar com estranhos, nunca, sou reservada demais com minha intimidade e meus pensamentos, em compensação, já ouvi cada desabafo de pessoas que eu não tinha a menor intimidade, algumas delas estava conhecendo naquele momento, não sei, talvez eu passe uma confiança para as pessoas e elas se sentem à vontade de me contar seus perrengues.
    Beijo, ótima postagem.

    ResponderExcluir
  21. Olá, Betty!
    Eu ouço muitos desabafos, dou conselhos mas eu não desabafo com ninguém!

    Bjs ♥

    ResponderExcluir
  22. Oi Betty, eu gostei muito do post! Eu não conheço o programa que você citou! Eu sou bastante comunicativa e uma boa ouvinte também! Penso que com a maturidade, tenho ouvido mais de que falado... As pessoas sempre contam as coisas pra mim... e eu escuto, às vezes arrisco pitacos... Em algumas situações em não pergunto para não parecer invasiva, quando é algo corriqueiro, como família, filhos, trabalho eu pergunto numa boa! Mas assuntos delicados eu nunca pergunto!
    Beijo,
    Vandira

    ResponderExcluir
  23. Ola querida Betty.
    Gostei muito deste post.
    Olha sou mais receptadora de desabafos, mas me aconteceu somente uma vez de me desabafar completamente com uma perfeita desconhecida. Uma mulher que encontrei em um ônibus.
    Contei para ela um problema e perguntei o que ela faria no meu lugar. Ainda lembro a resposta dela. Fiz o contrário do que ela me disse. Mas foi muito bom falar com alguém que não veria nunca mais.

    ResponderExcluir

Voltar ao topo
© Gosto disto!
Todos os direitos reservados.
Personalizado por: Elaine Gaspareto
imagem-logo