Eu fiz o melhor possível e você também


Desenho de coração


Fiz terapia durante algum tempo em minha vida e se encontrasse algum terapeuta competente, faria novamente, pois me fez um bem incrível, tão incrível que até hoje uso as lições que aprendi comigo mesma. Sim, a terapia serve para que você aprenda a se ver como realmente é, desta forma só você pode se modificar, ninguém pode fazer isto com ou por você.

Uma das coisas que aprendi e que fez uma enorme diferença na minha vida foi ver que eu sempre fiz o melhor possível e quer saber? Você também fez o melhor possível.

Não importa o que você tenha feito na vida e que atitude tenha tomado para consertar um erro, dar continuidade a uma empreitada, ou tentar ser feliz, saiba que que fez o melhor possível. Se hoje parece que foi um erro, esteja certa que você fez o melhor possível naquela época. Ninguém ou quase ninguém quer fazer o mal. Quando fazemos algo, fazemos querendo o melhor, seja para nós, seja para as pessoas que amamos. Só os sociopatas tomam atitudes pensando no pior, as pessoas normais, pessoas do bem, sempre fazem o melhor possível.


Lembrança com carinho


Esta consciência de ser do bem e sempre ter feito o melhor possível, me abriu a mente e meus horizontes. Foi o que me ajudou a me perdoar, bem como olhar com bons olhos certas atitudes de meus pais com as quais eu não concordava.

Por exemplo, minha mãe me tirou do Colégio São José, que era chamado Colégio das Freiras, e era pago, porque achou que seria saudável que eu convivesse com crianças da Escola Pública, que eram mais simples e o ambiente era bem miscigenado. Isto resultou em uma deficiência grande em minha educação formal, pois os professores faltavam e até que eu aprendesse a conviver com as crianças, apanhei muito. Eu era tida como flor de estufa e tive que enfrentar no braço as garotas dos bairros mais pobres para poder conservar os meus cabelos na cabeça.

Esta mudança foi uma péssima escolha de minha mãe, que refletiu na minha vida toda, mas hoje eu sei que ela fez o melhor possível e fez isto pensando na minha socialização.

Poucas pessoas eu conheço que fazem o mal pelo mal e se sentem bem com isto, pois o normal e fazer o bem ou querer fazer o bem.

Pare e analise as atitudes que você tomou na vida até hoje, mesmo que você ache que não foram acertadas, vai ver que foram as melhores possíveis para aquele momento que vivia.


Então é hora de se perdoar pelo seu passado e ser feliz com aquilo que construiu, afinal a vida é feita de erros e acertos e você pode se dar bem com ambos.


Beijinho da blogueira
Fotos: 1- Pexels; 2- @sweetpartyday
Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

30 comentários:

  1. Sempre que algo fazemos ou resolvemos, esperamos seja o melhor. Nem sempre acertamos, mas isso faz parte do nosso crescimento, aprendizado! Lindo teu texto! bjs, feliz novembro! chica

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto Betty
    Sabe que é bem isso mesmo. Infelizmente pessoas más existem, mas são minoria
    Muito obrigada por compartilhar sua experiência.
    Beijos e ótimo feriado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente dá uma dimensão muito grande a esta minoria. Está na hora de mudar o foco.

      Excluir
  3. Sim, a maioria das pessoas erram tentando acertar. Não sei se mudaria meus erros se tivesse oportunidade, pois cada um deles me levaram a outros acertos. O importante é sabermos que erramos tentando acertar. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é bem um erro, é um acerto para aquele momento.

      Excluir
  4. Betty isso è muito importante, também sofri muito por algumas decisões da minha mãe,algumas decisões dos nossos pais nos condiciona a vida toda,
    mesmo quando não queremos.
    perdoar è fundamental,
    não porque o outro merece, mas porque não perdoando só fazemos mal a nos mesmos

    blog de crochê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compreensão e perdão são muito importantes. qual pai ou mãe não erra. Nós tb erramos, mas sempre tentando fazer o melhor.

      Excluir
  5. Oi Betty... de vez em quando eu me pego pensando em tantas coisas que eu poderia ter feito melhor ou não te feito e aí me lembro que a depressão chega quando temos excesso de passado sem perdão e respiro fundo, agradeço o que tenho e o que contruí e bola pra frente,rsrsrs
    Beijosss!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei do pensamento... excesso de passado sem perdão. Já tive muito.
      Bjs

      Excluir
  6. Bem assim Betty, fazemos as coisas querendo acertar, mas nem sempre conseguimos. Também só consegui ficar mais leve e me permitir ser feliz quando decidi perdoar meus pais pelo passado, afinal ele já passou, aprendemos com os nossos erros e agora tudo está bem.

    Ótimo texto!

    Beijinhos!
    http://barbaradoblog.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bárbara,
      Esteja certa que eles fizeram pensando no melhor. Pais erram e nós tb.
      Bjs

      Excluir
  7. Belíssimo relato, Betty! Inclusive eu sempre quis fazer terapia, acho que todo ser humano necessita disso. Talvez, convivêssemos melhor se nos compreendêssemos mais. Eu tenho uma enorme vontade e um dia farei, basta poder pagar todas as sessões.

    Acredito que sua mãe fez isso pensando no bem sim e tenho certeza que, apesar de tudo, você aprendeu coisas valiosas no seu convívio com outra classe social, outra realidade social. Geralmente precisamos conhecer o outro lado da moeda pra tentar compreender os motivos que levam os outros a serem como são.

    E , por fim, concordo. Por mais que tenhamos cometido erros ou estejamos cometendo erros, nem um fio de maldade passa por nossas mentes. Buscamos a felicidade e que nos faça bem, não queremos que faça mal nem a nós e nem a ninguém. Mesmo que estejamos errando.

    :**

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bárbara,
      Eu sofri bullying e reagi, virei uma chefe de gang!
      rsrsrs
      O duro foi o decréscimo educacional, pois quando deram conta, eu não sabia matemática, não acompanhava aulas de inglês e estava mal alfabetizada!
      Foi mais perda do que ganho, e poderia ter sido uma experiência traumatizante se eu não tivesse reagido ao bullying a altura.
      Mas sei que minha mãe teve a melhor intenção possível.
      Bjs

      Excluir
  8. Betty como gosto de ler o que vc escreve!Me faz refletir! Pena que não consigo comentar a altura mas,parabéns, feliz de ser sua seguidora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maria Alice,
      Adoro seus comentários e só de saber que vc gosta, deixa o meu coração morninho, sabia?
      Bjs

      Excluir
  9. Oi, Betty. É cada burrada que a gente comete na vida, né? Sim, eu tenho a consciência tranquila de que, naquele momento, eu fiz o que fiz para fazer dar certo, mas é preciso também termos equilíbrio e senso crítico. Sabermos impor limites é importante. Já fiz terapia duas vezes e é maravilhoso, aprendi muito, aprendi sobre mim, sobre a vida, aprendi a lidar melhor com minha mãe, e até me reposicionei em um ambiente onde eu estava sem "espaço". Tudo muda, quando a gente muda. beijos carinhosos, Denise

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostaria de encontrar um terapeuta competente e com quem eu me desse bem.Os dois terapeutas que eu gostava foram embora de Bauru e estão fazendo falta.

      Excluir
  10. Questionamos sempre as atitudes tomadas, até mesmo as nossas, quando estas resultam em algo que não nos satisfaz ou nos prejudica de alguma forma.
    Esquecemos que todos nós cometemos erros, tentando acertar. Principalmente em nome do amor, quando muitas vezes os meios que escolhemos, sejam caminhos não muito fáceis, às vezes bem dolorosos.
    Acho precisamos compreender a intenção, de que tudo foi feito pensando ser o melhor naquele momento.
    Com o passar do tempo, compreendemos... e geralmente tiramos algo de bom da situação que passamos.
    Passei por uma situação na minha infância, ao contrário da sua amiga. Fui estudar em uma escola, que era para meninas muito acima de nossas condições financeiras... minha mãe trabalhou muito pra que eu tivesse uma boa educação. Mas nem as suas melhores intenções, me livraram de passar por maus e inesquecíveis momentos. Mas foi para o seu bem, minha mãe dizia. Com o passar do tempo foi que entendi...
    Adorei o teu texto!
    Boa tarde Betty, bjus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Crianças sofrem com mudanças, ainda mais com mudanças bruscas, que tirem do seu habitat natural. Pais só pensam que uma separação pode traumatizar uma criança, mas existem coisas que traumatizam muito mais.

      Excluir
  11. Oi Betty
    Bravo, belíssimo texto, gostei muito e concordo com você, a vida é feita de erros e acertos, mas tendemos a ser perfeitos, muitas vezes não nos perdoamos por atitudes e ações nem sempre... digamos assim, não muito corretas conosco e com os outros.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No momento em que tomamos estas atitudes, estamos fazendo o melhor possível para aquele momento. Era o certo a ser feito naquela hora.

      Excluir
  12. Nossa, Betty, hoje você foi minha terapeuta. Tem tantas atitudes que tomei que depois percebi que poderia ter feito melhor. Tantos erros que eu poderia ter evitado. Hoje vc me ajudou a encarar isso com outro prisma e sem vitimização. Obrigada, amiga. Hoje saio daqui mais leve na certeza de que fiz o melhor possível naquelas situações.
    Bjk...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós sempre fazemos o melhor possível! Fale a verdade, em algum momento vc fez algo por querer o pior? Claro que não!

      Excluir
  13. Eu também fiz terapia Betty.Penso que todo mundo deveria fazer para se aceitar mas, se perdoar mas e aceitar os erros como aprendizado. Se nosso caminho fosse feito só de acertos ,penso q a vida se tornaria uma monotonia e sem muito sentido. Acho tão positivo,as escolas por cá serem pública .Amo a igualdade social de cá. Beijinhos

    ResponderExcluir
  14. Olá, Betty, como aprendo com você, gratidão!
    Entrei em depressão profunda, achando que o melhor para os meus filhos era me matar, mas eu não queria me matar para provocar nos meus filhos traumas profundos como os que tive...
    Eu me anulei e, graças à terapia me levantei...Fiz terapia por 15 anos e, não consegui me libertar do psicopata, razão do meu desequilíbrio emocional.
    30 anos depois, entrei em choque pela decepção, rejeição, abandono e desprezo dos filhos, a minha salvação foi ter-me "encontrado" com Deus e deixar-me conduzir por Jesus Cristo, que colocou em meu caminho uma psicóloga super profissional e, através dela fui encaminhada aos psiquiatras, que me avaliaram e diagnosticaram que "louca não era".
    Assim, me achei, me libertei e já tive alta da terapia, tanto os psiquiatras como a psicóloga me acompanham pelo blog, para avaliar o meu grau de lucidez...
    Me empenho nesta luta para que as Mulheres em situação de risco reajam e denunciem as agressões praticadas contra elas, antes que sejam taxadas como "Portadora de Problemas Mentais, em delírios...", só porque eu queria o divórcio! É dessa forma que age a Justiça, quem tem depressão é incapaz e o psicopata canalha, que a transformou "em louca", é um sujeito respeitado!
    Eu faço o melhor possível, mas para a Justiça sou uma incapaz!
    Betty, você é excepcional, que seja sempre abençoada com felizes dias, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maria Teresa,
      Sou casada, mas me separei de um homem que tb me chamava de louca. Se sou louca, então preciso de ajuda, e foi assim que procurei a terapia. Na terapia vi que a única loucura que fazia era estar com ele. Foi assim que me separei.
      Hj estou com uma pessoa maravilhosa.
      Bjs e que a sua pessoa maravilhosa chegue tb.

      Excluir
  15. Betty, você me permitiria publicar esta postagem no blog?
    Só sei copiar e colar, mas coloco os devidos créditos...
    Gratidão, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  16. Puxa, Betty, que lindo post!
    É isso mesmo, em cada momento da vida cada umfaz o melhor que pode com os recursos de que dispõe...
    Bjs

    ResponderExcluir

Voltar ao topo
© Gosto disto!
Todos os direitos reservados.
Personalizado por: Elaine Gaspareto
imagem-logo