Elis – o filme


Elis – o filme


Eu não morro de amores por Elis Regina, apenas gosto, mas sem idolatria. Era uma ótima cantora, uma interprete competente que gravou o seu nome em letras douradas na música brasileira, mas adorei o filme sobre ela.


Elis – o filme


Breve resenha


O filme conta a história da Elis Regina (Andreia Horta), desde quando saiu do Rio Grande do Sul e veio tentar carreira de cantora no Rio de Janeiro até sua morte por overdose em 1982.


Elis – o filme


O roteiro é bem redondinho e mostra o seu envolvimento e casamento com Ronaldo Bôscoli (Gustavo Machado), que já tinha nome na época como compositor e produtor musical, sua separação e seu casamento com César Camargo Mariano (Caco Ciocler), bem como todo caminhar de sua carreira artística.


Elis – o filme


Por que assistir


Ainda que você não seja apaixonada por Elis Regina, assista ao filme pelo lado histórico do mesmo, pois ela foi perseguida pela ditadura militar e pela turma do Pasquim, um jornal contestador da época, através do Henfil.

As músicas são lindas e foram muito bem dubladas por Andreia Horta, que está perfeita no papel. Andreia Horta não representou Elis Regina, ela encarnou a cantora, em todos os seu trejeitos.


Elis – o filme


Preste atenção


O filme retrata muito bem como a gauchinha se transformou numa cantora de primeira grandeza. Eu não sabia, mas a sua movimentação no palco, jogando os braços para cima, foi ensinada e coreografada por Lennie Dale (Júlio Andrade), que além de coreógrafo era cantor, dançarino e ator. Lennie Dale se tornou um dos melhores amigos de Elis Regina.


Elis – o filme


Moda e Figurinos


O filme mostra a carreira da Elis Regina dos anos 60 até o início dos 80 e figurino procura ser fiel as épocas retratadas, mas dá umas esbarradas.

Elis aparece usando um vestido mexicano durante a gravidez de seu primeiro filho em 1970, que acredito que não era usado no Brasil naquela época, pois tenho dois vestidos mexicanos e eles começaram a ser usados no Brasil há uns 10 anos atrás, como saída de praia.

O filme comete outros errinhos além do errinho fashion, quando Elis pede o divórcio do Ronaldo Bôscoli e em 1970 não existia divórcio no Brasil. Poucas cenas à frente, um militar, durante um interrogatório, diz que ela é desquitada.


Elis – o filme


Alguns críticos estão reclamando da falta de emoção do filme, eu vejo o filme como um filme honesto e nada piegas, mas para quem gosta de pieguices, talvez o roteiro seja um pouco carente de lágrimas e gritos.


Recomendo muito Elis – o filme, pela personagem, pela cantora que ela foi e pela fase do Brasil que ela viveu. Recomendo também pela atuação de Andréa Horta, hoje uma das melhores atrizes brasileiras.




Beijinho da blogueira
Fotos de divulgação do filme.
Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

14 comentários:

  1. Minha mãe é apaixona por ela, obrigado pela visita.
    Blog:https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderExcluir
  2. Hello, querida Betty!
    Eu sou amante de filmes, se eu pudesse viveria dentro do cinema, rs.
    Não sou fã da Elis Regina, mas o filme parece ser ótimo e no fds vou assistir
    já estava programado.

    Beijinhos, abençoado Dezembro ♥

    ResponderExcluir
  3. Vou querer ver! <3

    http://mundo-mikas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. nossa, to doida pra ver esse filme! a elis é mt icone da musica nacional, adorei o post!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  5. Oi Betty, muito observadora você com os detalhes do filme.
    Reconheço o talento desta famosa conterrânea, mas nunca gostei dela... como você disse, mesmo para quem não gosta, o filme vale pelo momento histórico.
    Beijinhos,
    Ana

    ResponderExcluir
  6. Betty, assisti a esse filme no Festival do Rio e também adorei pelos mesmos motivos que você. Também não idolatro a cantora, mas adoro ver esses filmes biográficos que nos dão uma noção histórica da época, seus figurinos e costumes. Boa dica! Se quer uma dica de filme, vá assistir A Chegada. Emocionante e sensível! Beijos carinhosos, Denise

    ResponderExcluir
  7. Gosto dessa atriz, o filme promete!!

    bjokas=)

    ResponderExcluir
  8. Oi Betty!
    Ahhh estou louca pra assistir também. Vi o trailer e me deu logo curiosidade. Também não sou fã, apenas gosto dela e de suas músicas. E adoro a Andréa Horta!
    ótima dica!
    :*

    ResponderExcluir
  9. Oi Betty
    Não sou muito fã do cinema brasileiro, mas de repente este pode valer a pena assistir, pelo menos pra ver a atuação da Andréa Horta, que é uma atriz mineira sensacional.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Estou louca para ver o filme. Li há muitos anos a biografia dela escrita acho que pela Regina Echeverria (não tenho a certeza). Não era e não sou fã de Elis, mas reconheço a importância dela no cenário musical brasileiro. Minha cuirosidade é mais pela interpretação desta atriz que está perfeita.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi Betty... estou curiosa para ver, li uma biografia sobre ela e achei bem interessante também... beijosss!!!

    ResponderExcluir
  12. Betty, vim ler a sua resenha e adorei! O filme é ótimo, apesar dos deslizes rsrs, como eu comentei lá no face. Reparei também no vestido mexicano, mas. Ao tinha certeza se já existia ou não na época no Brasil. E a Andreia Horta realmente está ótima no papel, encarnou mesmo a Elis Regina!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquela gafe do divórcio/desquite poderia ser corrigida com muita facilidade. Eu acho que o vestido mexicano não existia naquela época por aqui...

      Excluir

Voltar ao topo
© Gosto disto!
Todos os direitos reservados.
Personalizado por: Elaine Gaspareto
imagem-logo