A pequena morte da partida

7 de junho de 2017 30 comentários

A pequena morte da partida


Há dias meu peito anda apertado e eu não sabia bem o porquê, até que me dei conta de que estou sofrendo por antecipação com a mudança de cidade de uma pessoa querida. Uma coisa é você se distanciar de uma amiga pelas contingências naturais da vida, como casamento, divórcio, profissão e outras coisinhas mais, mas a pessoa resolver mudar de cidade, se distanciar, dá um vazio no peito. Não é um vazio total, como o da morte, mas ainda assim é um vazio nada agradável.

Já notou quanta gente passou na sua vida e se afastou? Não falo de brigas, mas afastamentos naturais. Sabe aquela amiga querida que nunca teve filho e você teve? No momento que um filho nasce você cria um círculo de amizades com outras pessoas que também têm filhos, estão no mesmo momento de vida que você, e vêm as fradas, passeios no parque, festinhas de aniversário, grupos de mães no whatsapp e por aí vai. Sua amiga que não teve filhos vai continuar na balada, dormindo tarde, acordando idem e nem tem ideia que as manhãs ensolaradas no parque, empurrando um carrinho, podem ser bem prazerosas. Você vai continuar sendo amiga dela, mas aos poucos ocorre um afastamento natural, pois seu momento de vida é outro.

Este tipo de afastamento não dói, pois se dá aos poucos, suavemente. Às vezes você nem se dá conta dele, até que um dia você esbarra com a amiga na rua e bate uma saudade imensa daquela amizade boa que vocês tinham e que se diluiu com o tempo, com a vida.

Uma pequena morte acontece quando uma amiga diz que vai mudar de cidade. A amizade está ali, integra, não esmaeceu, não diluiu, e algo vai seccionar. Você sabe que pode telefonar para ela quando quiser, sabe que vai vê-la no facebook e curtir as fotos do novo momento de vida dela, mas ela não vai estar ali. Você não vai poder mais chamar para um café no fim da tarde só porque está meio down, não vai pegar o carro e ir até a casa dela contar as novidades ou saber delas, pois não tem mais casa dela para ir.

Esta pequena morte me aflige e já passei por muitas. O pior é que não consigo acreditar que a pessoa está fazendo o melhor para ela. Em alguns casos a mudança de cidade é benéfica, mas quando vejo alguém mudando de cidade em busca de ser feliz, me vem a ideia de que a felicidade não acontece por mudança geográfica, pois ela está dentro da gente e se alguém está infeliz, vai continuar infeliz no Canadá ou na Áustria.

Quero que todas as pessoas que eu amo sejam felizes, mas será que não dá para serem felizes na mesma cidade? Ia ser tão mais fácil para mim...




Foto BhaktiCreative - via Pixabay
Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

30 comentários :

  1. Te entendo muito bem, Betty! Queremos sempre o melhor para as amigas e todas pessoas que amamos e por vezes sabemos antes delas que as coisas não serão como pensam...E a saudade com antecedência é fooooogo! bjs e boa sorte pra ela! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela vai ter toda sorte do universo, mas nem por isto vou deixar de sentir saudade.

      Excluir
  2. Nossa, Betty...eu imagino essa dor sua. Mas também compreendo a mudança geográfica para ser feliz. Eu só percebi isso quando passei por determinada situação e compreendi que precisava sair de onde estava. Sua amiga precisa se distanciar no que tem ai e buscar novas lembranças e histórias.

    Para quem fica, é mais doloroso, mas tentem manter a amizade mesmo à distância. Outro pecado de algumas amigas minhas é que me cobravam tanto que fosse até elas, que se esqueceram de vir até mim...Um beijo!

    :**
    In.Material

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou ter que viajar um bocado, mas não tenho medo de estrada, até gosto.

      Excluir
  3. Oi Betty,
    Sei bem como é isso, as vezes a mudança geográfica se faz necessário... É bem difícil para quem fica, mas não é muito diferente para quem vai.
    Espero que consiga manter esta amizade forte mesmo com a grande distancia entre vocês.
    Saudades de comentar, mas estou sempre por aqui!
    Bjs querida❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Line,
      Ao ver vc aqui tive esperança que tivesse reativado o blog. Estou com saudade de suas dicas. Quando vai voltar?
      Bjs

      Excluir
    2. Ah Betty, ainda não estou pronta para voltar, mas tenho esperanças de retornar em breve. Obrigada pelo carinho!
      Bjs querida❤

      Excluir
  4. Já passei por isto de querer mudar de cidade pra fugir das mágoas, dores, tristezas.... enfim....E estou com uma amiga querendo fazer o mesmo e colocando toda a expectativa nisto. Ok. Mudar de ambiente, implica uma mudança de vida mas o grande problema é do que nós estamos fugindo. Se fugimos de fantasmas, eles nos acompanham seja na cozinha de casa, em outro estado, na Europa ou em Marte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem isso. Mas ao ler esta crônica, a pessoa me disse que o problema é o mercado de trabalho. Espero que seja e que todas as portas se abram para ela.

      Excluir
  5. Ah Betty, entendo perfeitamente sua dor. É um tipo de perda mesmo...
    Respeite seu luto. Dê um tempo para si mesma elaborar essa dor.
    Cada um tem o seu caminho.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Oi, Betty!

    Que texto bonito! E entendo bem a sua posição...

    Abraços, Cris

    ResponderExcluir
  7. Oi Betty, dói né? Já passei por isso. Mas se é melhor para a pessoa amiga a gente até releva rsrs
    Penso muito nisso, talvez dentro de alguns anos eu mude para Austrália.
    Somos eu e Husband sozinhos numa casa enorme (que dá muito trabalho).
    Meu filho/nora/neta moram nesse outro país e precisam muito de nossa ajuda.
    Lá custa muito caro uma pessoa para ajudar na casa e com a neta.
    Fico feliz por ficar junto com eles, mas o restante da família e os amigos .... vou sentir muita falta e eles de mim. Mas é um caminho que preciso e quero percorrer.
    Já não posso esperar muito ......... o tempo passa depressa.
    joturquezzamundial
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jo,
      É preciso um bocado de coragem para fazer um caminho desse, mas se é o que o seu coração manda, então faça suas malas e vá. Sempre se pode voltar, não é mesmo?
      Bjs

      Excluir
  8. Oi Betty! Eu imagino como vc está se sentindo... O ideal seria que ficássemos sempre perto daqueles que amamos, dos amigos, familiares, mas infelizmente nem sempre é possível. Faço votos de que sua amiga seja muito feliz nessa nova fase da vida;)
    *O Algo Mais acabou, cansei dele rs:)
    Decidi mudar o endereço e nome do blog (começar de novo....), tomara que eu tenha inspiração pra fazer muitos e muitos posts;)
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acredito que vc jogou fora aquele blog lindo!!!

      Excluir
  9. Olá Betty, eu te entendo e como te entendo. Eu acredito também que, a felicidade vem de dentro para fora.Mas,as vezes mudar os ares faz bem.beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Oi Betty,
    Nossa, já passei por isso diversas vezes, de amigas do peito se mudarem até de país. Senti muito, mas duas delas eu mantenho contato frequente até hoje, são amigas pra vida toda!
    Beijos,
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana,
      Minha melhor amiga é minha amiga desce os 5 anos de idade, e nós não moramos na mesma cidade, mas eu me lembro bem qdo mudei de cidade e perdi todo aquele contato diário que eu tinha com ela.
      Bjs

      Excluir
  11. oi Betty

    eu reflito sobre isso sempre. Sinto tanta falta de algumas pessoas.
    Sabe aquelas que mesmo distantes te manda mensagens todos os dias, e um certo dia tudo muda.
    Ou pq foram namorar, ou estudar, não importa a situação.
    Eu posso dizer que vivo de sdd por muitos que passaram pela minha vida.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  12. Oi Betty, difícil mesmo essa situação. Ver uma amiga se afastar, saber que as coisas não serão como antes... Espero que vocês consigam manter uma relação saudável, mesmo afastadas. Um beijo e melhoras da gripe!

    ResponderExcluir
  13. Acredito que qq partida é dolorida.
    Desejo a você um ótimo dia, com muita paz.
    Obrigada pela visita.
    Beijos coloridos!♥♥♥

    ResponderExcluir
  14. Ei Betty
    Nunca passei por isto que você está vivendo e sentindo, mas desejo que sua amiga encontre o que ela está procurando em outro lugar, desta maneira você vai ficar mais alegre.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc é uma sortuda! Achei que todo mundo já tivesse passado por isso na vida.

      Excluir
  15. Oi Betty,
    Espero que esteja melhor da gripe...
    A crônica é de uma sensibilidade a flor da pele. Pessoas que amamos, amigos, quando se vão, deixam um vazio mesmo, e não tem como não nos sentirmos pesarosos com a falta destas pessoas. É respirar fundo, suspirar, e vida que segue!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo uma pequena morte e uma morte sem luto, pois as pessoas a nossa volta não vão entender.

      Excluir
  16. Oi Betty... já passei por isso diversas vezes, dói mesmo, a gente se acostuma mas fica aquela dorzinha besta pra sempre... tomara que a pessoas a que vc se refere seja feliz onde quer que vá... Beijosss!!!

    ResponderExcluir
  17. Betty, sua linda
    Dói mesmo e sinto na pele isso. deixei alguns poucos amigos, mas como sinto faltas deles, nessa temporada por aqui. imagino sua dor e seu afastamento, mas penso que se é para melhor para ela, que assim seja e que dê tudo certo.
    Beijos,
    DMulheresInstagramFanpage

    ResponderExcluir
  18. Betty querida,
    Seria tão bom se pudéssemos ficar sempre ao lado de quem a gente ama, mas a vida é assim cada um segue o seu caminho. As amizades verdadeiras mesmo distantes nunca acabam.
    Sei que dói, mas infelizmente temos que aceitar.

    Forte abraço, fique com Deus ♥

    ResponderExcluir
  19. Oi Betty, me identifiquei bastante com teu texto. Já passei por esta " morte " três vezes. E, justamente com minhas 3 melhores amigas. A primeira mudou para SP há 9 anos, a segunda para o Rio há 3 anos e a terceira para Toledo nos EUA em março deste ano. Fiz e ainda faço um luto . Não é fácil! Bjs

    ResponderExcluir



SUBIR