A moda chic e simples de Edward Molyneux

5 de julho de 2017 11 comentários

Chic e simples ao mesmo tempo – lição de Edward Molyneux


Edward Molyneux era um estilista britânico cuja maison esteve em operação de 1919 até 1950. Talvez por essa tão breve permanência no mundo da moda, ele quase não é conhecido.
Edward Molyneux era um irlandês de ascendência huguenote. Ele nunca exagerou, sempre manteve a visão das alturas elegantes a que a alta costura poderia subir. E sabia combinar o chic com o simples como poucos.

Molyneux criava para a mulher elegante das décadas de 1920 – 1930, mas embora visasse a elegância, ele não criava para uma mulher previsível. Ele se misturou com a aristocracia, bem como com a sociedade, nas cafeterias em Paris e entre as cidades francesas e obteve informações sobre as necessidades das mulheres nessa era de mudanças e liberdade. Ele criou figurinos para a atriz e cantora Gertrude Lawrence, que era muito famosa na época, e também desenhou o vestido de noiva da Princesa Marina da Grécia para seu casamento com o Duque de Kent.


Chic e simples ao mesmo tempo – lição de Edward Molyneux
Vestido criado por Edward Molyneux em 1939


Molyneux nasceu em Londres em 1891 e sua primeira ambição era ser pintor. Seu esboço para um vestido de noite ganhou um concurso patrocinado por Lucile (Lady Duff Gordon) que o contratou, mas isso foi interrompido pela guerra quando ele foi ferido e perdeu o olho.

Em 1918 ele abriu seu ateliê em Paris e desde o início, seu estilo era a extrema simplicidade e gosto perfeito. As atrizes Greta Garbo, Vivien Leigth, Marlene Dietrich eram suas clientes mais assíduas...entre outras.

 O sucesso veio rapidamente e ele se mudou para uma casa maior e abriu vários ramos. Além de couture, ele trabalhou com peles, lingerie, chapéus e perfumes. Ele vestiu as mulheres mais elegantes até o início da Segunda Guerra Mundial e escapou de Paris para Londres em 1940.

Chic e simples ao mesmo tempo – lição de Edward Molyneux
Vestido verde criado por Molyneux em 1935 - Vestido marrom criado em 1945

Molyneux era conhecido por roupas conservadoras, mas nunca era pessoal ou matrona. Sua cliente típica era alta, magra e inteligente, com longas pernas finas e geralmente estava no final dos 20 e início dos 30 anos. O seu elegante vestido de noite de cetim branco sem costas com peles de raposa prateada jogadas sobre o ombro, tornou-se o símbolo da elegância dos anos 1930.

Ele era mais conhecido por seu maravilhoso manuseio dos tons azul marinho e preto, fosse num falso vestido de saia ou um vestido de noite.

Nos anos 30, o olhar puro de Molyneux apareceu completamente. Seus casacos de veludo macio caíam no chão em uma única linha ininterrupta, seus vestidos combinados com casacos três quartos tinham uma fluidez graciosa. No final dos anos 30 ele experimentou uma modelagem com uma cintura fina e bem marcada, que mais tarde Dior chamou de "New Look".

Ainda nos anos 30, o designer irlandês John Cavanagh trabalhou com Molyneux, em Paris, e ganhou experiência valiosa que o manteve em bom lugar quando abriu sua própria casa.

Depois da guerra, Molyneux voltou para Paris, mas não era o mesmo, a sua saúde particularmente a sua visão, começou a falhar, então em 1950 ele fechou seus estabelecimentos de Paris e Londres e se retirou para a Jamaica.


Chic e simples ao mesmo tempo – lição de Edward Molyneux
Painel de fotos com as criações de Edward Molyneux e foto do design à direita

Ele teve uma vida pessoal complicada, um dos primeiros relacionamentos foi com o diplomata   Harold Nicolson, que ajudou a financiar a abertura do primeiro ateliê do design, em Paris. Apesar de casado com a escritora Vita Sackville-West, eles tinham um casamento aberto e ela sabia do relacionamento de seu marido com Molyneux. No entanto, em 1923, Molyneux casou-se com (Jessie) Muriel Dunsmuir (1890-1951), uma das oito filhas de James Dunsmuir , primeiro-ministro da Colúmbia Britânica . Eles se divorciaram em 1924.

Ele morreu em 1974 aos 83 anos. Mas de alguma forma será lembrado por seus projetos simplificados dos anos 1930, roupas de uma década que ele ajudou a moldar.


Fontes de dados e de fotos: LiveJournalThe MetThe Red List


Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

11 comentários :

  1. Ficou legal!Modéstia á parte.

    bjs,Betty e obrigado!

    ResponderExcluir
  2. Um ícone na história da moda. Belíssimo apanhado historiográfico.

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia...
    Achei os vestidos de muito bom gosto!

    Abraços, Cris

    ResponderExcluir
  4. Que história interessante....eu curti os modelitos, são lindamente parisienses..me lembra até uma boemia parisiense que a gente vê em alguns filmes que retratam essa época.

    :*
    In.Material

    ResponderExcluir
  5. Oi Betty adoro história da moda. É um assunto que sempre me interessa. Adorei saber mais sobre este expressivo estilista que pensava ser francês, mas vi que era britânico. Beijos
    www.janeisatomas.com.br

    ResponderExcluir
  6. Lindos os vestidos. Esse verde, nossa, maravilhoso demais!

    ResponderExcluir
  7. Hello, Paulo e Betty!
    Que aula! Muito bom vir ao Gosto Disto, aqui eu saio sempre rica em conhecimentos!

    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir
  8. Adorei saber mais sobre esse Edward Molyneux
    big beijos

    ResponderExcluir
  9. Incrível, uma sensibilidade e um bom gosto incrível. Adorei!

    Beijokas,
    DMulheresInstagramFanpage

    ResponderExcluir
  10. Sou fã dos modelos desse estilista, ótimo post!

    Beijos,
    Pri
    www.vintagepri.com.br

    ResponderExcluir



SUBIR