Perdas Provocadas

13 de setembro de 2017 25 comentários

Perdas Provocadas


Quantas e quantas vezes queremos tanto algo, que sabemos não merecer, e jogamos fora antes mesmo de perder, pois sabemos que vamos perder? São perdas provocadas por nós mesmos, mas que sabemos que iriam acontecer de qualquer maneira, então nos antecipamos para não sofrer. Mas será que isto evita o sofrimento?

Uma pessoa que gosto muito, mas que anda navegando por mares turbulentos, turbulência esta que ela mesma provoca, postou algo no facebook que me fez pensar, pensar ao ponto de telefonar para uma outra amiga querida, que também gosta dela, que também torce por ela, para trocar uma ideia, mas concluímos que nada se podia fazer.

Vamos por partes...

Essa minha amiga, tem um namorido, um namorido que é muito bem vindo pela família, pois ela nunca se fixou em nenhum relacionamento, e é um daqueles casos em que o namorido conhece a mãe, almoça aos domingos com a família e estavam, ou estão morando juntos, adotaram um gatinho, do qual cuidam como filho. Enfim, um casal feliz e normal! Aceitos por todos, amados por todos. Mas ela ganhou uma bolsa de 6 meses para fazer pesquisas em outro país, e o casal foi separado. 

Separado, não! As redes sociais permitem que a gente esteja junto mesmo estando há quilômetros de distância. Logo no início da separação, vi fotos do gatinho-filho nas redes sóciais e juras de amor e saudade, mas de repente ela colocou um texto enorme, em lugar público, se assumindo bissexual e colocando de maneira clara que este namorido não era tão importante assim.

Parecia que tinha baixado uma Simone de Beauvoir nela (celebridade que eu sei que ela admira) e fez a loka jogando para o alto o Jean Paul Satre que ela parecia amar.

Sumiu o gatinho das redes sociais, sumiram as declarações de saudade e ela pode mergulhar confortavelmente na solidão que sempre esteve e se jugava merecedora. O ostracismo também pode ser uma zona de conforto difícil de abrir mão.


A mim me pareceu que ela sabia que os 6 meses de separação resultariam em uma separação eterna, então por que não sentir dor já? Ela arrancou o amor de sua vida como alguém que arranca um curativo do braço de uma vez só, arrancando dolorosamente os pelos. Já que vai doer, que doa já! Traduzindo: “eu não mereço ser amada, mas não sou idiota para descobrir isso aos poucos”.


Perdas Provocadas


Já vivi isto com um ex-marido que me traiu e que todo mundo dizia que se alguma infidelidade acontecesse, seria da minha parte, pois ele era rico, muito rico, mas não tinha a melhor forma física. 

Me descobri traída, sem que existisse uma razão para isso. Éramos felizes, estávamos bem, e se eu não o amava, como as pessoas querem ser amadas, eu o respeitava e amava a vida que tínhamos juntos. A traição resultou em divórcio. Segui minha vida e ele a dele, mas ele não se perdoou por ter jogado fora a vida que tínhamos, só por se sentir indigno de toda aquela felicidade.

Já vi gente que decepciona no trabalho, só por se achar indigno do cargo que tem. Gente que decepciona nos relacionamentos, por se julgar pouco para o parceiro que tem. Gente que decepciona como gente, por não saber receber tudo de bom que recebeu.

Estas perdas provocadas podem parecer um alívio imediato para quem as provoca, mas eternamente vai viver com a culpa por não poder saber como teria sido se não tivesse jogado tudo para o alto.
Sinto um desamor por si mesmo imenso em quem provoca essas perdas e o pior é que magoar, ofender, não aumenta o amor próprio.

Se você foi vítima de uma perda provocada por alguém, então sabe muito bem o que é caminhar no escuro sem entender porque apagaram as luzes, quando tudo parecia tão bem!


Se você provocou uma perda por julgar não merecer tudo de bom que tem, então está na hora de procurar ajuda, pois amor próprio não se constrói magoando ninguém.




Fotos @vesperny
Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

25 comentários :

  1. É muito triste tudo isto.O ser humano, em todo mundo vive este conflito interno em relação a sexualidade.Por cá, uma amiga com 4 filhos,gente protestante e atuante,sofreu muito com a filha de 18 anos.A menina era noiva, terminou o noivado ,saiu de casa e assumiu um caso com outra menina.Eu já fui vítima de uma perda provocada por alguém e como dói. Mesmo que superamos as cicatrizes ficam para sempre.beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Patrícia,
      As perdas provocadas vão além da sexualidade, pois já vi uma pessoa recusar um cargo e depois ficar a vida toda falando que ganhava pouco. Ela provocou a perda do cargo, só não coloquei o caso aqui para ilustrar pq o post ficaria muito longo.
      O problema desta amiga é que ela não estava assumindo um relacionamento homossexual, antes fosse, pois assim não estaria sozinha, mas sim jogando a bissexualidade dela on line e falando do namorido como se ele fosse uma coisa, um nada! Ao meu ver, ela não se achava ou se acha merecedora dele ou da felicidade que estava tendo numa vida a dois com ele.
      Mas a questão que vc levantou é bem interessante e eu vou pensar a respeito, quem sabe outro post...

      Excluir
  2. O acelerador desse processo é o mal do século, a ansiedade. Aprendemos e agora nascemos com a informação just in time. Tudo daí se mistura, sentimentos, medo de sofrer, etc. De uma forma que tudo precisa ter solução exatamente agora. Parece que viver, simplesmente por viver, tornou-se démodé...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Beto,
      Eu não tinha pensado nisto, mas acho que a raiz é a ansiedade mesmo! Como tem gente correndo do nada para lugar nenhum!

      Excluir
  3. Olha quelida eu li o texto todo, teria muita a falar, da minha vida mesmo em todos os sentidos aqui relatado.
    Hoje não um dia falo.
    Desejo a você um ótimo dia, com muita paz.
    Obrigada pela visita.
    Beijos coloridos!♥♥♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Margareth,
      Me deixou curiosa... Por ter ficado doente, ganhei uma liberdade pessoal de falr tudo que penso e quero.
      Bjs

      Excluir
  4. Oi Betty...triste isso acontecer. É estranho como nós humanos nos comportamos diante do medo. Por que no fim das contas, tudo se resume ao medo. De ser feliz, de ser merecedor, de conseguir alcançar um objetivo...enfim.

    Acredito que já tenha sofrido e provocado isso. Mas admito não ter pensado nisso dessa forma.
    Atualmente me vejo em um dilema estranho sobre minha gravidez, onde eu e meu marido não conseguimos acreditar que "ganhamos esse presente". Já até me deu ideia de um post pro blog..eheheh

    :**

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bárbara,
      Vou esperar por este post. Gravidez é uma fase transformadora na vida de um casal, mas espere pela hora do nascimento. Você não tem ideia do que é amar alguém até ter um bebê para chamar de seu nos braços!
      Bjs

      Excluir
  5. Betty, que texto forte!!! Ao mesmo tempo que é profundo, é belíssimo. Me senti muito tocada por ele, aliás, direta e indiretamente.
    Beijos,
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana,
      Alguns posts, quando estou escrevendo, me trazem lágrimas nos olhos, pois mexem com sentimentos que estavam guardados e pareciam não poder me machucar mais, este foi um deles...

      Excluir
  6. Me identifiquei. Já perdi muita coisa boa por não me julgar merecedora. Acho q porque em experiências anteriores em q me julguei merecedora, perdi... Atualmente vivo naquele ditado:"espere pelo melhor mas se prepare para o pior ". Quero um dia encontrar o equilíbrio perfeito:"desfrutar tudo de bom enquanto durar"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Clê,
      Eu tenho este lado pessimista de sempre me preparar pelo pior, mas não vejo isto com negatividade, pois foi este lado que me salvou de um CA! O exame tinha dado negativo, mas eu bati o pé e disse que queria tirar o nódulo: era câncer.
      Mas tenho medo de provocar perdas por não me achar merecedora do que temos, pois já sofri por perdas provocadas por pessoas inseguras.
      Este equilíbrio perfeito deve existir, mas ainda não encontrei ou não encontrei plenamente tb.

      Excluir
  7. Mulher que texto arrebatador é esse ?!
    "amor próprio não se constrói magoando ninguém." Vou levar essa frase para a vida !!


    https://metadebatom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Uau!!! Excelente!
    Como vejo casos semelhantes no consultório...
    Muitas pessoas não suportam ser amadas por não se sentirem merecedoras e inconscientemente sabotam a relação.
    Você disse tudo, por falta de amor próprio desprezam o amor que recebem.
    Nesses casos, só com muita terapia...
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza é caso para terapia, mas um terapeuta que eu tinha sempre dizia que quando uma pessoa recorria à terapia já era um forte indicador de que ela não precisava tanto de terapia assim, pois quem realmente precisa, foge.

      Excluir
  9. Oi Betty, conheço algumas pessoas que se auto-sabotam desse jeito. Fazem de tudo para não sofrer e acabam sofrendo por antecipação. Terrível isso. Um beijo!

    ResponderExcluir
  10. Realmente Betty é preciso refletir muito bem sobre tudo e não deitar tudo à perder por orgulho próprio. Ninguém é lixo, que se pode deitar fora quando se quer. Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Hello, querida Betty!
    "Amor próprio não se constrói magoando ninguém."
    Triste quem passa por essa situação, a mente humana é muito complicada.

    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir
  12. Nossa Betty, já convivi com e conheço muitas pessoas assim... mas é estranho ela se assumir bi agora, talvez já fosse e esta separação foi o estopim para jogar tudo para o alto, na verdade não sabemos o que se passa no íntimo das pessoas por mais que sejamos amigos, nem em 4 paredes... Beijosss

    ResponderExcluir
  13. Gostei do texto e das imagens tambem!

    juliamodelodemodelo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir



SUBIR