Por que idealizamos tanto?

14 de junho de 2018 11 comentários

Por que idealizamos tanto?



Como são admiráveis as pessoas que não conhecemos bem.
Millôr Fernandes

Esta frase do Millôr Fernandes diz muito sobre o tanto que idealizamos pessoas e situações. Eu já fiz isso incontáveis vezes na vida e, com a idade, acho que melhorei e ando idealizando menos, mas ainda tropeço e acabo me decepcionando, não com aquilo de mau que acho que me fizeram, mas sim por não terem feito aquilo eu achava que fariam.

Estou sendo muito confusa? Vamos lá...

Passei boa parte da vida contando com uma pessoa que acreditei que estaria do meu lado caso eu precisasse de ajuda, não só porque esta pessoa sempre disse que eu estaria presente caso eu precisasse, mas também porque eu ajudei muito essa pessoa nas ocasiões que ela precisou. Como acredito que uma mão lava a outra, na hora que precisei, levei um choque quando esta pessoa se negou a ajudar. Tudo o que eu tinha feito por ela já tinha sido esquecido. É certo que fiz porque quis e nunca pensei em ter reciprocidade, sequer pensei que precisaria dessa reciprocidade, mas precisei e me foi negada. Magoou? Sim, e muito, mas também me despertou, pois se eu não tivesse idealizado esta pessoa, e tivesse visto como ela realmente é (e ela é muito pequena) eu não teria me magoado.

Já vi pessoa idealizando situações e tive vontade de perguntar se aquilo iria dar certo, se aquela pessoa não estava sonhando como impossível, mas fiquei intimidada, com medo de magoar, de criar uma saia justa e me calei. Talvez se eu tivesse dado uma de Grilo Falante do Pinóquio e aberto o os olhos dessa amiga, hoje ela não estaria tão decepcionada como esta.


Por que idealizamos tanto?


Essa amiga falava de sua família como se fosse o paraíso na terra. Ela sempre se encontrava com todos os parentes em festas de fim de ano e nessas confraternizações se sentia energizada com todo calor humano que emanava daquelas primas, primos e tios. Não foi uma e nem duas vezes que essa amiga postou em redes sociais a imensa importância que a sua família tinha para ela. Tudo ia muito bem até o dia em que ela resolveu mudar-se para perto desta família, e fez planos contando com a acolhida carinhosa de seus parentes.

Ela esqueceu que os primos e primas têm famílias constituídas, horários de trabalho a cumprir, casas e negócios para administrar, e que aqueles mesmos primos, primas e tios não teriam o tempo que tinham para ela como tinham nos festas de final de ano.

Ela está decepcionadíssima, pois não foi convidada uma única vez para almoçar domingo com estes parentes que eram tão queridos! Não é convidada para festas e nem lembrada para um café da tarde!
São parentes horrorosos? Não! São ótimas pessoas, são as pessoas que sempre foram e não mudaram em nada, só que esses parentes não couberam na idealização que ela tinha feito deles.

Quem está errada: ela ou eles? Ela, é claro, bem como eu estava errada em contar com uma amiga que eu idealizei e falhou comigo.

Até hoje agradeço muito a uma amiga, a quem considero como irmã, pois ao ver que eu estava idealizando uma pessoa que eu amo muito, me chamou de lado e me disse que essa pessoa poderia me prejudicar, poderia me magoar e que eu deveria tomar precauções para que isto não acontecesse. Eu estava vendo com olhos de quem ama, então estava dando tons rosados para uma realidade que não era bem assim. O fato dela me alertar fez com que eu tomasse uma atitude de autoproteção que eu não teria tomado por não conseguir ver, e me ajudou muito, sem que com isso eu prejudicasse a pessoa em questão.

O melhor seria poder ver as pessoas e as situações com os olhos das pessoas que nos cercam, e de preferência que querem o nosso bem, pois assim não cairíamos em idealizações impossíveis e não sofreríamos, mas como isto não é possível e nem sempre as pessoas que nos amam têm coragem de nos trazer para a realidade, o melhor é não criar expectativas.

A idealização é irmã da expectativa e ambas frequentam a antessala da decepção.


Por que idealizamos tanto?



Fotos: @anthropologie@glitterguide
Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

11 comentários :

  1. Excelente artigo Betty.
    Acredito que todas nós já passamos várias vezes por isso .
    Mas boa prá frente ,que atrás vem gente
    Abbraccio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O melhor seria não se iludir, mas todos nós temos uma boa dose de idealização. Às vezes machuca.
      Beijos

      Excluir
  2. Oi, Betty
    No caso dessa pessoa que se mudou para perto dos parentes, há muito o que se refletir. Talvez fosse o caso dela sinalizar que quisesse ser convidada sem tom de cobrança, tipo: "quando derem um chá, me chamem". Ou ela mesma tomar a iniciativa de convidá-los. Não sei se isso já foi feito. Há muitos detalhes que não sabemos. Esses parentes também, por outro lado, por que não procuram uma prima querida que se mudou para perto deles? Foi a primeira pergunta que me fiz. Se se gostam tanto dela como demonstram nas festas de fim de ano, por que não querer a companhia dela? Não custa nada. Pode ser economia, a vida corrida, enfim, reflexões...rsrs
    Beijos
    50+ Moda & Beleza

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise,
      Ela já convidou estes parentes, buscando uma aproximação, e eles foram, mas depois continuaram suas vidas, a vida que levavam antes dela estar mais próxima fisicamente. A verdade é que eles nem notam que ela contava tanto com eles assim! Ela idealizou aquela família que na verdade nunca existiu.

      Excluir
  3. Oi Betty! Esse choque de realidade é que faz a gente repensar nossas relações com as pessoas mais próximas, né? É bem delicado a situação da sua amiga, uma vez distante estava tudo bem e depois que ficou morando perto a coisa mudou. A gente nunca sabe o que se passa na mente das pessoas. Família é sempre um assunto muito delicado.

    Beijos,
    Pri
    www.vintagepri.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Família é assunto delicado mesmo, mas acho que isto se deve pq esperamos mais do que as pessoas podem dar.

      Excluir
  4. Boa tarde, colega Betty!
    É... esta vida é realmente um trem complexo. Já perdi as contas de quantas vezes fiquei na expectativa e caí do galho, pior que sou pisciana manteiga e nunca aprendo mas... faz parte.
    Ei, moça!
    Tem postagem nova no meu blogue. Passe por lá pra conferir, você vai gostar.
    Ficarei feliz com tua visitinha e comentário, sempe tão gentis.
    Grande abraço pra você! :)

    ResponderExcluir
  5. Como essa frase do Millôr é maravilhosa! Tão verdadeira. A gente tende MUITO a idealizar certas pessoas e (na maioria das vezes) acaba se decepcionando. Dureza. :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro esta frase do Millôr, ela foi o start para o post.

      Excluir
  6. Olá, querida Betty!
    "Como são admiráveis as pessoas que não conhecemos bem."
    Quando passamos a nos conhecer às vezes nos machucamos a decepção é grande.
    Eu tenho 6 irmãos 2 irmãs e 4 irmãos, há tantos conflitos e traições na família,
    acabo me afastando.

    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Andréa,
      A família do meu pai se esfacelou toda por causa de conflitos bobos. Acho que toda família tem problemas, se não tem, não é família.
      Beijos

      Excluir



SUBIR