Existe idade certa para ser um bom profissional?

21 de novembro de 2018 15 comentários

Existe idade certa para ser um bom profissional?


Eu fui ao médico com meu marido porque ele tinha uma consulta marcada, mas levou um tombo na noite anterior e acordou com o braço paralisado de tanta dor, daí eu achei melhor ir dirigindo. Nós dois ficamos muito bem impressionados com o endocrinologista e ao sair do consultório, meu marido começou a especular qual era a idade do médico. Eu calculei e disse: 45 anos, o que é uma ótima idade para um bom profissional.

Existe idade certa para ser um bom profissional? Não, mas a maturidade pode ajudar um bocado em todas as profissões, e o excesso de maturidade pode atrapalhar.

Por exemplo, quando você vai numa nutricionista recém formada, ela olha para você como se fosse um novo projeto profissional, e joga uma dieta daquelas de arrepiar os cabelos. Me lembro de um colega de academia apavorado porque a nutricionista criou um plano alimentar no qual ele tinha que comer, na hora do lanche da tarde, seis jabuticabas. Jabuticaba não é uma fruta que você encontre o ano todo e seis jabuticabas não alimentam ninguém. Eu mesma já enfrentei regimes em que a nutricionista colocou no lanche da tarde, duas castanhas.

Um profissional recém formado ainda não vê as limitações do seu paciente ou cliente, ele acha que deve aplicar aquilo que aprendeu na faculdade e ponto final. Esse profissional pode ser médico, dentista, advogado, engenheiro, enfim, vale para todas as profissões.

Agora, quando você vai num profissional que está no meio da carreira, digamos que com uns 15 anos de profissão, ele já tem consciência que o seu paciente não vai seguir um regime tão restritivo ao ponto de exigir que ele coma apenas duas castanhas. Este profissional já tem noção da realidade e sabe até que ponto pode levar o seu cliente.

Também não aposte num profissional em fim de carreira, por mais nome que ele tenha, pois já entrou naquela fase do tanto faz, ele tem a sensação que sabe de tudo e já não liga muito para a situação do seu cliente.

Por exemplo, meu divorcio foi feito por um advogado que tinha sido meu professor na faculdade de direito. Ele era tido como uma sumidade, daqueles que para entrar no escritório você tinha que deixar um saco de dinheiro com a secretária. Só que essa sumidade me fez perder e muito na divisão de bens. Ele sabia no que ia dar, ou acreditava que sabia, e fez corpo mole. Meu ex-marido pagou o que quis por uma empresa que nós tínhamos construído juntos, e o valor não chegou nem a um quinto do que eu poderia e deveria ganhar. Cada vez que eu argumentava com o meu advogado que o ex estava escondendo uma criação de gado que ele comprou com o nosso patrimônio, que ele estava apresentando uma avaliação da firma totalmente fictícia, e que foi feita apenas por ele e pelo advogado dele, sem que o meu advogado despregasse a bunda da cadeira para providenciar um avaliador que contestasse, tudo que ele dizia é que eu não tinha como provar o alegado. Como assim? Eu era casada em comunhão parcial de bens e mesmo se eu não fosse casada, a lei me daria o direito à meação por ter construído aquele patrimônio junto com o ex!

Não teve jeito, por causa de um profissional já cansado e desgostoso da vida, perdi muito no divórcio, mas, como dizia um antigo anúncio de um cartão de crédito, me livrar do ex, não tinha preço, e eu perderia tudo de novo só para me libertar daquela prisão.

Embora existam exceções, hoje, quando eu procuro por um profissional, se puder escolher, escolho aquele que está no meio da carreira, não tão iniciante ao ponto de acreditar que vai mudar o mundo, nem tão próximo à aposentadoria que já não acredite que nada no mundo possa ser mudado.

Buda já dizia que os extremos devem ser evitados e que o caminho do meio é sempre a melhor escolha. E não é que ele estava certo?


Foto: Ivan Knyazev para Moose
Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

15 comentários :

  1. Muito bom te ler e também não gosto de novatos nas profissões... Conosco aconteceu cada uma já!!! Bah!

    Prefiro os mais "taludinhos" nos anos... Experiência conta pra mim e muito!Óbvio que há de ter atualizações...Não adianta fazer um bom curso, e parar ali sem atualizar...Mais uma vez, o equilíbrio e a nossa intuição... beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Chica,
      Dá para ver quando um profissional está se atualizando ou não na profissão e realmente é muito importante.
      Beijos

      Excluir
  2. Bom dia Betty, sabe, que você tem razão! Eu ainda não tinha pensado nisso, mas agora comecei a lembrar dos profissionais que me atende por aqui e é exatamente como vocês descreveu.

    PS. Betty, eu mandei uma msg. inbox no Facebook pra vc, depois vc dá uma olhadinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Karine,
      Com o tempo e a experiência, a gente aprende a andar no caminho do meio, sem extremismos.
      Beijos

      Excluir
  3. Oi, Betty!

    Concordo totalmente com o seu texto... Conforme fui lendo, pessoas foram passando na minha cabeça... Hehe

    Abraços, Cris

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É assim mesmo... eu também já fui principiante e sei bem como eu era durona.

      Excluir
  4. dificil saber né, tbm acho que o ideal seria alguem no meio da carreira

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  5. Oi Betty, acredito que existam exceções em todos os casos, mas você tem razão sim. Maturidade profissional é super importante, muda demais o relacionamento com o paciente/cliente. Um beijo querida :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sendo clichê, mas é verdade, as exceções confirmam a regra.
      Beijos

      Excluir
  6. Mas se todos evitassem o serviço de uma pessoa recém formada como elas conseguiriam experiência na área profissional? rs Gostei da publicação e nunca tinha parado para pensar nisso. Confesso que não me atento, mas agora analisando, sempre dou preferência para quem está começando. Acho que de certa forma ajuda a pessoa amadurecer suas ideias e até pq dependendo da função, quando acaba de sair da faculdade, por exemplo, a pessoa é ágil, criativa e está sempre estimulando suas ideias. Ao contrario de uma pessoa que está há anos exercendo a mesma coisa e acaba se acomodando... ficando sempre no mesmo lugar.
    Digo por experiência própria, pois lembro que no meu primeiro emprego, com poucos meses consegui me destacar e consegui mudar de setor onde eu era a mais nova e ninguém confiava no meu serviço. Isso me deixou insegura e fez com que me sentisse inferior aos demais. Quase desisti... acho que é por isso que sempre tento motivas quem está começando =) independentemente da idade ou tempo de carreira.
    Super interessante o artigo <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como alguém recém formada consegue experiência? Eu fiz estágios e mais estágios. Fiz umas loucuras no início de carreira, loucuras bem intencionadas, mas ainda assim, loucuras. ainda acho que o caminho do meio é o melhor, desde que o profissional esteja se atualizando sempre.
      Beijos

      Excluir
  7. Bons profissionais hoje em dia está raro rs
    Também acredito que não tem idade certa mas a maturidade é essencial para isto mas alguns anos de experiência na bagagem sempre ajuda rs

    It's Lizzie | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  8. Perfeito, irretocável, coerente.

    ResponderExcluir



SUBIR