A Esposa é mesmo um filme feminista? - Gosto Disto!

5 de julho de 2019

A Esposa é mesmo um filme feminista?

A Esposa - Glenn Close

Eu me sentia em dívida com o filme “A Esposa”, mas ele não veio para as salas de cinema de Bauru, e acabei assistindo on line, o que não era meu desejo. Adoro o trabalho da Glenn Close e depois de ver “A Esposa”, tenho certeza de que ela foi injustiçada, pois era a sua sétima indicação ao Oscar, e esse Oscar era dela por pleno merecimento. Glenn Close perdeu o Oscar para a atriz britânica Oliva Colman, em “A Favorita”. Nada contra Colman, que desempenhou muito bem seu papel, mas passou longe da grandeza da Glenn Close, em seu papel de Joan Castleman, em A Esposa.

A Esposa - Glenn Close

Resenha


Joan é uma esposa submissa, ou mais do que isto, pois ela chega a ser subserviente. Ela desempenha múltiplos papeis como esposa, mãe, revisora de textos do marido escritor consagrado (Joe Castleman – Jonathan Pryce), baba do marido, enfermeira, camareira, datilografa. Sua vida parece se resumir ao marido, que além de escritor é um galinha que cisca entre as suas alunas, sendo que Joan foi uma delas.
Ela é apaixonadíssima pelo marido e se tornou a sua segunda esposa, vez que a primeira o deixou, já tendo uma filha com ele, quando descobriu que ele a traia com Joan.
Joan tem dois filhos crescidos, sendo um moça, que está grávida e um rapaz, David (Max Irons), que está tentando ser escritor como o pai.

Tudo parece correr bem, até o momento em que Joe é indicado para receber o Prémio Nobel de Literatura, e todas as mágoas começam a vir à tona.

A Esposa - Glenn Close

Porque assistir


O filme tem um forte viés psicológico, pois retrata uma família e uma vida disfuncional que, para quem vê de fora, parece perfeita e feliz.

Muita gente aponta o filme como feminista, pois a submissão de Joan chega a incomodar a quem assiste ao filme. Joe é dominador e coloca Joan numa posição inferior a sua, mas em determinado momento do filme a gente descobre que a sua primeira esposa, depois de se libertar dele se tornou um a psiquiatra muito bem sucedida, e a sua filha do primeiro casamento é uma dentista com muito sucesso na profissão. Por que Joan não fez o mesmo?  No decorrer do filme a gente descobre que Joan poderia sim ter se libertado.

A Esposa - Glenn Close

Preste atenção



A atuação de Glenn Close é primorosa e sua expressão fácil diz tudo o que ela está sentindo sem que ela precise dizer nada. Ela transmite uma fúria contida que vai se intensificando a medida que o filme vai se desenrolando.

A Esposa - Glenn Close


O filme se propõe a ser um suspense, e contem em si uma revelação, mas na verdade ele vale mais pelo drama psicológico da trama.
Se você assistiu “A Favorita”, vai ficar se indagando a razão de Glenn Close não ter ganhado o Oscar, pois a sua atuação foi pra lá de merecida.





9 comentários:

  1. Olá Betty
    Confesso que ainda não sei se gostei ou não do filme.
    Poderia dizer que é feminista já que ela dizia que não era vítima e fundamentalmente ele dependia do talento dela, masssssss me incomodou bastante a subsersubserviência dela :/
    Tb não gostei da "solução" do roteiro porque agora que ela poderia escrever os livros que quisesse, sempre haveria a pegada das obras anteriores.
    Mesmo levando em consideração o viés crítico de mulheres que tem as carreiras desmerecidas pelo simples fato de serem mulheres e que cada casal tem uma dinâmica, acho que o filme se situa numa linha tênue entre opressão e romance (mesmo com mágoas).
    Sem dúvida (apesar de eu gostar bastante do trabalho da Olivia Colman) acho que a Glenn Close merecia o Oscar pela protagonista complexa e com várias camadas.
    Adorei o post.
    Desculpa aaaeee o comentário grandão
    Ótimo fds pra ti e todos aí
    Bjs Luli
    https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fiquei decepcionada com a personagem, pois além de se submeter ao anonimato e entregar seu talento para o marido, ela ainda era traída por ele! Ela tinha tudo para se libertar, só uma paixão poderia justificar o que ela fez.
      Bejs

      Excluir
  2. Oi, Betty
    Esse filme me deu raiva rsrs. Acho que a Joan poderia ter revelado a verdadeira face do marido ao mundo pelo menos no final do filme. E, sim, concordo com você que a atuação da Glenn Close está primorosa.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb fiquei p*** com a Joan, mas existe uma hitória real muito parecida com a da Joan, a da Margaret Keane, conhecida como a pintora Big Eyes, cujo marido assinava as obras que eram dela, mas chegou uma hora que ela se libertou dele.
      Beijos

      Excluir
  3. Oi Betty, ainda não assisti e então não saberia opinar. Já está na minha lista de filmes para as férias.
    Beijossss!!!

    ResponderExcluir
  4. bom dia,já assisti,achei o filme interessante,elenco de primeira, roteiro dez, gosto muito da Glenn Close, e tb da Oliva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei a Glenn Close perfeita neste papel de Joan, e não consigo imaginar outra atriz para dar tanta veracidade à personagem.
      Beijos

      Excluir
  5. OI Betty, eu achei o filme sensacional e a Glenn Close está maravilhosa. Como você disse, a expressão facial dela transmite todos os sentimentos, emoções e sensações.
    beijos
    Chris
    Inventando com a Mamãe / Instagram  / Facebook

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Chris,
      Ela se superou com esta interpretação, o Oscar tinha que ser dela!
      Beijos

      Excluir

Copyright 2019 - Todos os direitos reservados - Desenvolvido com
POR LORY DESIGN