É coach ou está fazendo um bico? - Gosto Disto!

6 de novembro de 2019

É coach ou está fazendo um bico?


Ainda hoje nós estamos vivendo uma crise econômica no Brasil e, embora esteja melhorando, existe muita gente desempregada vivendo de bicos. Quando a gente fala em viver de bicos logo pensa naquele senhorzinho desempregado que faz tudo, desde limpar caixa d’água até pintar paredes; o que aparece ele pega, embora a sua qualificação profissional seja de torneiro mecânico. Em tempos de crise as pessoas metem os pés pelas mãos e acabam fazendo serviços para os quais não têm nenhuma qualificação.


Quando eu tropecei no post da revista Bula, com o título Vergonha alheia: os 10 cursos mais bizarros e malandros oferecidos por coaches, na medida que ia lendo pensava: já vi isto aqui. A credibilidade dos coaches ficou comprometida devido a tanta gente oportunista entrando na área. Devem existir coaches sérios, mas a verdade é que quando se depara com um texto dizendo que coach é aquele que fracassou em quase tudo, mas sempre tem uma solução para a vida dos outros, acaba por lembrar que coach não é diferente daquele senhorzinho que está fazendo bicos por falta de vaga como torneiro mecânico.
O coach está se transformando no desempregado que faz o bico de coach! Você não precisa ter curso de nada para ser um coach e se fizer um curso on line pode obter um certificado de coach internacional. Se me faltar emprego eu posso aprender a consertar torneiras e interruptores, ou virar coach.
Sei de um coach com formação internacional que atuava na área há anos, antes que coaching virasse moda e alternativa para o desemprego, que teve que deixar de atuar como coach e passar a atuar como consultor. Qual é a diferença entre um coach e um consultor? Basicamente um coach ensina você a fazer aquilo que você precisa, já um consultor faz por você. Ele estava sendo engolido pelo bando de coaches que apareceram no mercado da crise e a credibilidade da função foi perdendo terreno.
Com o desemprego em alta, a crise tem obrigado às pessoas a assumirem funções que jamais deveriam exercer. Sei de uma economista solteira que adotou uma criança, mas quando essa criança se tornou adolescente e começou a dar trabalho para valer, ela abriu mão da maternidade e mal a tal criança atingiu 16 anos, ela a emancipou dizendo que a cria tinha negócio próprio, quando na verdade ela não aguentava mais. Ela não nasceu para ser mãe e ninguém é obrigada a nascer para ser mãe, ser mãe é uma opção. Agora pasme, sabe o que ela faz atualmente? Dá cursos para mães carentes, ensinando o básico para educar um filho na primeira infância.
É ou não é meter os pés pelas mãos?
É a tal da história: Pagando bem, que mal que tem?
Sei de palestra sobre voluntariado sendo dada por um palestrante que nunca fez nada pelo próximo, que nunca participou de um trabalho voluntário, vai morrer sem ter dado uma moeda a um faminto!

Postei este meme há um tempinho no instagram...



Pode parecer surreal, mas em tempos de crise as pessoas apelam para tudo e tanto faz vender Avon, dar palestra ou limpar bosta de elefante, dando dinheiro vão em frente sem saber o que estão fazendo ou vendendo.
Sem querer generalizar, mas já generalizando, não vá colocando o tiozinho que faz bico para consertar o interruptor, pois ele pode pôr fogo na casa. No fundo o que ele quer é o seu dinheiro, pouco importando em colocar em risco a fiação de sua casa. Se até o tiozinho que faz bico pode ser perigoso, imagine o coach que se propões a falar de empreendedorismo e nunca teve uma empresa, ou o palestrante que vai falar sobre empoderamento feminino e bate na mulher todas as noites, todos eles querem o seu dinheiro, precisam do seu dinheiro.
Até o mercado se normalizar é muito bom pesquisar o profissional que você está contratando para cuidar de sua casa e de sua vida, a não ser que depois de ter a casa incendiada pelo tiozinho e a vida arruinada pelo coach de empreendedorismo, você também passe a fazer bicos e vire coach.


Foto: William Moreland via Unsplash

10 comentários:

  1. Acho importante esta profissão, mas ainda não consegui para desenvolver

    ResponderExcluir
  2. Excelente post! Concordo totalmente com o texto da revista Bula e com teu posicionamento. A profissão de "Coach" ficou tão banalizada, que pessoas mais espertas e inteligentes não dão credito nenhum a esta lorota de coaching (termo este também do excelente texto da Bula: 10 Livros de Psicologia Que Te Ensinarão Mais Do Que Uma VIda Inteira de Lorota Coaching. É incrível a inundação que sofremos no Intagram sobre isso. E também com outras "profissões". Todo mundo resovel ser "Consultora de Imagem", "Design de Sobrancelha" e "Coach". Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Banalizaram a profissão e o pessoal que está desempregado anda atirando para todo lado! Existem coaches sérios? Devem existir, mas foram sufocados pelos que estão fazendo bico de coach.
      Beijos

      Excluir
  3. Oi Betty,
    Ótimo post!
    Tenho um certo preconceito com essa palavra....prá mim coach virou um enorme balaio onde se mistura tudo...difícil separar o joio do trigo.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá difícil mesmo. antes de escrever o post fiz uma pequisa e descobri que a profissão não é regulamentada, então qualquer um pode ser coach. O termo bichou e hoje causa aversão a qualquer pessoa que tenha dois dedos de testa.
      Beijos

      Excluir
  4. Exato, o que eu conheço de gente fracassada em várias áreas e que virou coach e está faturando bem, principalmente se o assunto for Empoderamento Feminino (tenho bronca deste termo que vc nem imagina). Mas sempre tem quem se ilude com palavras, sem ao menos saber sobre o passado profissional do Coach.
    A nova onde agora são as Mentorias, que são profissionais capacitados em determinado assunto e que mentorarm o crescimento profissional de quem quer ser empreendedor. Só esperando os "coachs" migrando para "mentores", hehe... Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana,
      Verdade... cada dia mais se fala em mentorias. Lá se vai mais um termo para o ralo!
      Beijos

      Excluir
  5. Oi Betty... eu fujo dessas palestras, mas fui obrigada a fazer uma no início do semestre. Nem preciso dizer o que achei, rsrsrs
    Beijosss!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jane,
      Uma cois é dar uma palestra sobre um assunto que você domine, outra coisa é dar uma palestra sobre qualquer asunto desde que paguem para você fazer isto. Tem gente demais vivendo de palestras, até a jogadora Hortência vive de dar palestras motivacionais hoje, sabia? Eu adoro a Hortência, mas acho que seria melhor aproveitada como treinadora de um time de basquete.
      Beijos

      Excluir
  6. Dia desses li que para ser coach não é necessário curso superior, basta que você domine um assunto.
    Para algumas áreas, talvez faça sentido, mas...
    Tenho minhas dúvidas.
    Conheço apenas um coach, meu colega da faculdade de psicologia, que desde sempre foi uma pessoa extremamente séria e competente. Porém já tive a oportunidade de conhecer dois coaches que me pareceram oportunistas, pra não dizer picaretas.
    Na dúvida, melhor pesquisar sobre a pessoa. Beijo Betty.

    ResponderExcluir

Copyright 2019 - Todos os direitos reservados - Desenvolvido com
POR LORY DESIGN