Damas de Preto um filme suave com temas importantes

Damas de Preto filme comédia 2018

Se você está procurando um filme suave para este fim de semana, então anote aí: Damas de Preto. O filme é baseado no romance, The Women In Black, escrito pela escritora australiana Madeleine St. John, e parece ser um filme e livro bem açucarados, mas se você prestar atenção vai ver que o filme aborda questões importantes, como a xenofobia, a colocação da mulher no mercado de trabalho, o direito das mulheres de estudarem e terem uma carreira, mas tudo isto é feito de uma maneira bem Polyanna, o que não desmerece nem um pouco o filme.
Os temas abordados pelo filme são muito atuais e se mantêm importantes ainda hoje.


O filme está sendo classificado com comédia dramática, mas não tem nada de drama e não é uma comédia de gargalhar, quando muito você vai sorrir, o melhor seria classifica-lo como romance ou comédia romântica.

O diretor do filme, Bruce Beresford, é o mesmo de Conduzindo Miss Daisy, que é um filme indispensável, mas ele alterna entre trabalhos memoráveis e alguns fracassos retumbantes. Este é um ótimo filme, mas deu o azar de ser atropelado pela pandemia e não ter sido bem divulgado.

Damas de Preto filme comédia 2018

Resenha


O nome do filme Damas de Preto se refere as funcionárias de uma grande loja feminina, Goodes, em Sydney, na Austrália, em 1959, que se vestem de preto.
Esta loja na verdade não existiu, mas nessa época existiu uma loja, com outro nome, que pode ter servido de inspiração para a autora do livro.

As personagens de maior destaque são:

Lisa (Angourie Rice): uma jovem aprendiz que é contratada pela loja e sonha em cursar uma faculdade. Lisa é esforçada, mas vem de uma família muito humilde, sendo que seu pai não vê razão para que ela estude, afinal ele nunca estudou para ser alguém na vida, e ele acredita que é alguém (mas não é, ele é o típico João Ninguém)
Fay (Rachael Taylor): É uma funcionária da loja, loira e muito bonita, mas que não teve muitas oportunidades na vida.
Patty (Alison McGirr): é colega de Fay e Lisa. Patty é casada com um sujeito bem bronco, que evita contato sexual com ela.
Magda (Julia Ormond): É uma imigrante eslovena que é responsável pelos vestidos de alta costura da loja. Ela é casada com um húngaro e é vista pelas colegas de trabalho como uma refugiada, ou seja uma estrangeira que não é bem vista na Austrália.
Se você assistiu ao filme Sabrina, a segunda versão, pois a primeira foi com a Audrey Hepburn, vai se lembrar da Julia Ormond, pois ela foi Sabrina, algo meio imperdoável, pois assumir um personagem vivido e marcado a ferro e fogo pela Audrey Hepburn não é tarefa fácil e isso acabou atrapalhando um bocado a carreira desta artista talentosa e bonita. Neste filme ela está bem senhora e um pouco acima do peso, mas continua muito bonita.

O filme mostra a evolução dessas quatro mulheres sendo que o foco maior é em Lisa e todo o seu esforço para conseguir o que quer na vida, ou seja estudar para ser alguém.

Damas de Preto filme comédia 2018

Porque assistir


O filme vai deixar você se sentindo leve e esperançosa, acreditando que tudo de melhor sempre acontece, este é o lado Polyanna do filme Damas de Preto, mas mesmo assim ele consegue mostrar os problemas dos imigrantes na Austrália e a falta de aceitação pelos habitantes da Austrália, eles também descendentes de imigrantes, mas que se sentem superiores por já terem nascido lá.

O final dos anos 50 e o início dos 60 foram anos marcantes para a evolução feminina e libertação da mulher, pois em 1960 surgiu no mercado a pílula anticoncepcional que libertou a mulher a colocando em pé de igualdade com os homens. Como o filme Damas de Preto se passa em 1959, então vemos as últimas remanescentes de uma época pré-feminismo, mas já do pós guerra, quando as mulheres estavam se colocando no mercado de trabalho e invadindo as universidades.

Damas de Preto filme comédia 2018

Preste atenção


Na inocência da Fay, ao se sentir intimidada por uma passado que hoje não denegriria nenhuma mulher, mas que naquele tempo era um estigma. É impossível não se emocionar e não torcer por alguém que se sente diminuída por não saber sobre filmes, livros ou música e mesmo assim ter muita vontade de aprender.
Você vai acabar se enternecendo com o Sr. Miles (Shane Jacobson), o pai da Lisa, que em sua simplicidade e ignorância não tem ideia da grandeza de sua filha. Na hora que Lisa é aprovada na Faculdade, ele não consegue nem ficar feliz, e fica aturdido quando os seus superiores no serviço começam a cumprimenta-lo pelo feito de Lisa. Ele vai entendendo aos poucos e se orgulhando dela e por ela.
Lisa é uma personagem encantadora, mas todos eles são, pois todos são muito humanos, muito bem intencionados diante da vida.

Eu chorei de alegria pela Fay e pela Lisa, pois faço parte do seres humanos que acreditam que tudo pode dar certo.

Damas de Preto filme comédia 2018

Figurino


O figurino é maravilhoso! Tanto as roupas do dia a dia usadas pelas quatro personagens femininas de destaque, quanto as roupas de alta costura da loja.

Lisa tem suas roupas feitas em casa pela sua mãe, mas ao ver os vestidos dos estilistas famosos, se encanta e passa a almejar um dia ter um para chamar de seu.

Damas de Preto filme comédia 2018


Eu ando meio cansada dos filmes e séries catastróficas da Netflix. Entendo que eles colocam a disposição aquilo que o público deseja ver, mas poderiam deixar um brecha para filmes e séries mais leves, com um astral que faça a gente acreditar que existe um lado bom e ensolarado no mundo.
Damas de Preto vai fazer você sentir saudade daquilo que não viveu, como vestidos rodados, jantares dançantes, passeios na natureza, além de ter uma trilha sonora linda, que dá vontade de sair dançando no meio do filme.
Se você está precisando de manhãs de sol, pessoas alegres, gente vitoriosa e roupas bonitas, então Damas de Preto é o filme para você e para toda sua família.

Não é um filme difícil de ser encontrado em cópias pagas, basta procurar no Google.


Compartilhe

Betty Gaeta

Gosto Disto foi criado por Betty Gaeta, publicitária, advogada e blogueira, de Bauru - SP, para falar de moda, beleza, comportamento, viagens, decoração, filmes e tudo o que se refira ao universo feminino.

12 comentários:

  1. Olá Betty. É o tipo de filme que gosto. Queria me dedicar mais aos filmes. É tenho uma sala cinema só pata isto. Mas sou tão viciada nos livros eles não me deixam. Eu até hoje faço o jogo do contente de Poliana. Vejo beleza mesmo no caos. Bom fim de semana amiga! Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc tem uma sala de cinema!!! Bateu uma invejinha branca, pois tenho muita vontade de ter.
      Beijos

      Excluir
  2. sugestão ótima! é de aproveitar. obrigada! bom fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom fim de semana! Pode reunir a família para assitir que vc não vai se arrepender.
      Beijos

      Excluir
  3. Jane Quintela de Carvalho31 de julho de 2020 16:44

    Oi Betty... que delícia de filme, vou procurar por aqui.
    Estamos precisando de um filme assim nesse fim de semana!!!
    Beijosss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o tipo de fime que faz a gente acreditar que todfos os sonhos podem se realizar.
      Beijos

      Excluir
  4. Respostas
    1. Este é muito bom e discute temas sérios, mas de maneira leve e até mesmo divertida.
      Beijos

      Excluir
  5. OI Betty, mais uma dica para a minha lista. Aliás, já estou procurando. Por enquanto achei no look, mas muito caro.
    Adoro as suas dicas de filmes.
    beijos
    Chris


    Inventando com a Mamãe / Instagram  / Facebook / Pinterest

    ResponderExcluir
  6. Oi Chris,
    Eu assiti num canal da HBO e deve passar novamente, mas tem on line grátis:
    https://www.filmesonlinegratisbr.com/damas-de-preto-dublado-online/
    É preciso paciência para acessar, pois tem muitos anúncios, mas tem a vantagem de não ter que se cadastrar e nem baixar nenhum programa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Adorei a dica, já anotei!
    Você já assistiu "The Paradise"? Tem o mesmo estilo conta a historia da primeira loja de departamentos em Londres e tras as mesmas reflexões. Mas o que me assombra é que assisti uma vez sozinha e outra com uma amiga que está morando a anos nos EUA e ela não fazia as mesmas problematizações pois para ela bastava "querer e fazer" ela não percebeu as lutas antes de eu ter comentado, e sei que muitas mulheres não o percebem acham que sempre tivemos "direitos" e que estes não são ameaçados.

    Vou buscar esse para ver também.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Adelaide,
      Obrigada pela dica, não sabia do The Paradise. Vou ver se encontro.
      Beijos

      Excluir

Blogs que valem uma visita