Pandemia e seus reflexos no nosso dia a dia

Morning - Edward Hopper


Todo mundo está sentindo os reflexos da pandemia no dia a dia, e não estou falando sobre ficar doente, mas sobre como não ficar doente, pois estamos nos restringindo muito para que o corona vírus, ou covid-19 (fica ao gosto do freguês), não invada nossas casas e não acabe com a nossa saúde.
Eu vi este desafio no blog de uma amiga e fui procurar a origem. O desafio veio de Portugal, da cidade de Sintra (um lugar lindo no qual eu gostaria de voltar), e a blogueira responsável por ele se chama Ailime. Eu não conheço a Ailime e creio que ela também não saiba quem eu sou, mas lá no ultramar vi que tem uma pessoa sentindo os efeitos da pandemia no seu dia a dia e passando pelas mesmas coisa que eu estou passando aqui no Brasil. Acredito que você também esteja sofrendo os reflexos da pandemia em sua vida, então resolvi participar do desafio, mesmo não tendo sido convidada (entrei de oferecida mesmo) e nunca aceitar desafios.
A verdade é que eu vinha refletindo sobre isto há alguns dias e ia escrever a respeito da pandemia, então quando encontrei o desafio resolvi encará-lo.
São apenas três perguntas, mas acredito que você também vai pensar a respeito delas ou já estava pensando.
  

1- Se não fosse a pandemia onde você estaria neste momento?


Eu provavelmente estaria em Campos do Jordão, pois tinha planejado no começo do ano aproveitar uns dias de inverno na serra, mas este ano, além da pandemia, parece que não vai ter inverno e o Estado de São Paulo está enfrentando temperaturas extremamente quentes, passando dos 30° C durante à tarde. A umidade relativa do ar hoje está abaixo de 30%, com o perigo de chegar a 20%, daí entraremos em estado crítico.

2- O que você gostaria de estar podendo fazer?


Eu queria poder ir aos lugares que eu ia e nem se quer prestava a atenção no que estava fazendo, como academia de ginástica, cafeterias, livrarias, shoppings e tantos outros lugares banais que eu frequentava sem máscara e sem medo. Sinto falta da liberdade que eu tinha e nem sequer sabia ter.

 3- Do que você sente mais falta?


Estou sentindo falta de minha família e das minhas amigas. Minha filha e a minha enteada moram em cidades diversas da minha e atualmente só falamos por Whatsapp. Minha netinha está crescendo e eu não estou podendo acompanhar o seu crescimento e ela está numa idade em que tudo acontece muito rápido, eu sei que estou perdendo uma fatia importante da vida dela.

Gostaria de saber sobre os reflexos da pandemia no seu dia a dia: onde você estaria, o que  gostaria de estar podendo fazer e do que mais está sentindo falta?

Se você for dar uma olhadinha no blog Sinais... de esperança, de onde roubei o desafio, vai notar uma leve diferença na redação perguntas, mas as perguntas são as mesmas, eu só abrasileirei os textos por estarem muito lusitanos.

Imagem: Para ilustrar escolhi a pintura Morning, do Edward Hopper, um dos meu pintores favoritos. Edward Hopper retratava a solidão, o isolamento humano e fez isso num tempo em que não existia pandemia. Suas pinturas nunca foram tão atuais e sugestivas quanto agora.

Compartilhe

Betty Gaeta

Gosto Disto foi criado por Betty Gaeta, publicitária, advogada e blogueira, de Bauru - SP, para falar de moda, beleza, comportamento, viagens, decoração, filmes e tudo o que se refira ao universo feminino.

13 comentários:

  1. Que bom te ver participando e realmente,estamos todos nesse mesmo barco! cada um com seus desejos, jeitos de encaras e torcendo pra tudo acabar! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Chica,
      Achei as perguntas muito interessantes e servem para todas as pessoas.
      Beijos

      Excluir
  2. Acho que os efeitos da pandemia é igual para todos, só muda o jeito como encaramos. Assim como você eu comecei a perceber que sentia falta de ir à lugares banais, só queria poder sentar na mesinha da padaria aqui perto de casa e comer um pedaço de bolo sem medo de ser feliz.
    Eu não conhecia o pintor Edward Hopper, procurei no google e amei as pinturas dele.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por que vc me lembrou da padaria?!? Taí outro lugar que estou sentindo falta! Quero bolo com café!
      Beijos

      Excluir
  3. Ah...Betty, se não fosse a Pandemia eu estaria na Europa agora fazendo um curso maravilhoso no qual já tinha me inscrito com muita antecedência...

    Sinto falta da natureza, de visitar a minha mãe e de abraçar e beijar meu marido, ele está trabalhando nas UTIs de Covid. .

    Queria tirar férias na praia, estou exausta...
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também estou me sentindo exausta! Virei faxineira, financista, cozinheira (e olha que eu sou péssima cozinheira), lavaderia, motorista, enfermeira, compradora... Eu quero minha vida de volta!!!
      Beijos

      Excluir
  4. Eu deixei os encontros que tinha com amigas e amigos pois faço parte dom Movimento dos cursilhos de Cristandade que nos dá muita vivencia conjunta e partilhas de vida maravilhosas. também visitava doentes e amigos e amigas, o que agora não posso fazer. Meus familiares têm estado comigo, mas claroque tanto ei«u como eles sentimos falta da liberdade e do à vontade que tínhamos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estou em desvantagem, pois minha família não está comigo, mas minha filha vai criar um esquema para poder passar o aniversário comigo no próximo mês e isto me deixou esperançosa. Estou com muita saudade!
      Beijos

      Excluir
  5. Jane Quintela de Carvalho20 de agosto de 2020 10:08

    Oi Betty... se não fosse a pandemia eu teria viajado para Campos do Jordão também e estaria organizando a nossa viagem para Paris com a nossa filha. Sinto falta dos encontros das amigas, jantinhas e cafés e de estar com os familiares, sinto falta também de dar aula presencial, não aguento mais aulas remotas, rsrsrs
    Beijossss!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está dando aulas remotas? Não sabia! Achei que vc estava em off na escola.
      Beijos

      Excluir
  6. Oi, Betty! Eu provavelmente estaria em São Paulo, enfiada em alguma mega livraria ou batendo pernas num shopping. Saudade disso!
    Em abril eu teria voltado a Portugal e teria revisitado Sintra, lugar mágico e inesquecível.
    Sinto falta de viver, conforme você disse muito bem, "sem máscara e sem medo" e de poder "aglomerar" com meus amigos - o melhor deles levado pelo covid-19 há menos de um mês...

    ResponderExcluir
  7. Beautiful Articl, Lots of Information Thank you for sharing such beautiful content

    ResponderExcluir

Blogs que valem uma visita